Eleito um dos 25 melhores bailarinos do mundo pela revista Dance Europe em 2011 e diretor do Ballet Du Nord desde janeiro de 2014, Olivier Dubois é detentor de uma experiência vasta e única que abrange coreografia, performance e ensino. No espetáculo “As memórias de um senhor”, que será apresentado na Cidade das Artes nos dias 12 e 13 de novembro, o premiado coreógrafo aborda a narrativa da solidão de um homem que se tornou rei e sua batalha obscura para se tornar triunfante a partir de três temas principais: glória, queda e despedida.

Assim como no polêmico “Tragédie”, espetáculo apresentado na Cidade das Artes em 2015, quando colocou em cena 19 bailarinos nus, o coreógrafo foge mais uma vez do convencional ao levar ao palco 40 dançarinos amadores – selecionados no Rio Janeiro, a partir de duas audições na Arena Carioca Fernando Torres, em Madureira, nos dias 28 de outubro e 5 de novembro (mais informações no serviço abaixo) – para acompanhar o solista Sébastien Perrault. Na montagem, o bailarino vive um rei adulado, heroico e triunfante, que, ao mesmo tempo, está terrivelmente só e preso à paranoia do poder. O corpo de baile, por sua vez, se funde ao cenário onde, especialmente nas batalhas, os homens são perseguidos e dizimados pelo Rei.

Com referências a líderes históricos, como Alexandre, o Grande e Genghis Khan, em “Memórias de um senhor” Dubois convida o público a uma viagem mergulhada em um drama elisabetano que atravessa os tempos, refletindo sobre a sensação de solidão de inquietude que o poder tem a capacidade de provocar nos indivíduos.

OLIVIER DUBOIS

Diretor da companhia Ballet du Nord desde 2014, Olivier Dubois foi eleito um dos 25 melhores bailarinos do mundo pela revista “Dance Europe”, em 2011. Com uma metodologia que abrange coreografia, desempenho e ensino, Dubois criou seu primeiro solo, “Under Cover”, em 1999. Nascido em 1972, atuou em inúmeras peças de diversos coreógrafos e diretores aclamados, como Laura Simi, Karine Saporta, Angelin Preljocaj, Charles Cré-Ange, Cirque du Soleil, Jan Fabre, Dominique Boivin, e Sasha Waltz.

Dubois é um artista que está constantemente em busca de ampliar seus horizontes. Desde 2005, o coreógrafo criou um fluxo constante de peças originais de sucesso. Em janeiro de 2009 ele montou uma produção de “La Périchole”, de Offenbach, para a Ópera de Lille, dirigida por Bérangère Jannelle. Neste mesmo ano, ele inagurou à trilogia “Étude crítica pour un trompe l’oeil”. Primeiro veio “Révolution”, que estreou no Ménagerie de Verre em Paris, e, dois anos depois, “Rouge”, segunda parte da série, que consistia em um número solo do próprio Dubois. A peça final, “Tragédie”, foi apresentada pela primeira vez no Festival d’Avignon em 2012, e já percorreu diversas cidades da Europa, Estados Unidos e América do Sul.

Em junho de 2007, recebeu do Sindicato dos Críticos Profissionais de Arte em teatro, música e dança o prêmio especial do júri pelo seu trabalho como dançarino e por sua carreira. No ano seguinte, recebeu também o primeiro prêmio Jardin d’Europe em Viena e, em 2013, foi eleito o melhor coreógrafo com o prêmio Danza & Danza pelas peças Tragédie e Élégie.

Serviço:
As memórias de um senhor (Les mémoires d’un seigneur)
Data:
12 de novembro, sábado, às 21h.
13 de novembro, domingo, às 18h.
Local: Grande Sala – Cidade das Artes (Av. das Américas, 5300 – Barra da Tijuca)
Ingressos:R$50,00 (inteira), R$25,00 (meia), na bilheteria ou no site https://www.ingressorapido.com.br/compra/?id=53801#!/tickets
Classificação: 14 anos

DEIXE UM COMENTÁRIO