Candidato à Palma de Ouro em Cannes em 2016, o elogiado filme egípcio “CLASH”, de Mohramed Diab, chega às plataformas de streaming no próximo dia 10. O longa mostra a população nas ruas do Cairo quando o presidente eleito na primeira eleição geral do Egito é destituído do cargo pelos militares. Durante os protestos, um grupo de pessoas escolhido arbitrariamente fica preso numa caminhonete da polícia.

É neste camburão que o filme de Diab se passa. Na ficção, integrantes da Irmandade Muçulmana, apoiadores do governo deposto, e manifestantes pró-Exército são presos nesse espaço. Ao longo de um único dia, marcado por protestos nas ruas da cidade, o espaço fechado acolhe também passantes sem posição ideológica definida.

Aclamado pela crítica, o filme chama atenção pela narrativa “hui clois”, quando a história é contada com vários personagens, juntos, num espaço fechado. Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, o diretor explicou como fez a fórmula funcionar. “Quando começamos a filmar, certas coisas estavam muito claras na minha cabeça, e por isso foi necessário um período intenso de preparação. Não queria que, para realçar um diálogo, um momento de tensão entre dois, três personagens, o restante ficasse fora de foco. Para garantir a veracidade, ensaiamos muito. E, durante a filmagem, mais de uma câmera ficava ligada, captando tudo de diferentes pontos de vista”, revelou.

Dieb ainda disse na entrevista que o objetivo do filme era tornar os personagens presos uma representação do que a sociedade do Cairo vivia naquele momento. “Acho que é possível encontrar um viés crítico no filme, porque, se não fosse assim, eu teria falhado. Mas uma coisa também era clara para nós (ele inclui o irmão e produtor Khaled) – esse não é um thriller de Hollywood, portanto, não divide as pessoas em boas e más, mocinhos e bandidos”, completou.

Serviço
Clash (Eshtebak )
Data de Estreia: 10 de agosto
NOW (R$11,90) / VIVO PLAY (R$ 9,90)
Google Play (Compra R$ 24,90 Aluguel R$6,90)
iTunes (Compra US$6.99 Aluguel US$2.99)

DEIXE UM COMENTÁRIO