Sexo é a carta magna do amor proibido. Do amargo ao doce, Sons de Vermelho discute os dilemas sexuais femininos em uma peça sensorial e transgressora.

Sem impor a sexualidade, o texto discute a descoberta do corpo, do prazer e do sexo com expressividade e poesia. Seja nas atuações, no texto, na fotografia e na direção.

Do objeto cru à fotografia avermelhada, peça leva ao publico o desejo pelo desejo, o amor pelo amor, independente de escolhas. Cabe a cada um saber de si e respeitar o que não lhe pertence.

Sons de Vermelho é autoral e visceral diante dos olhos obscuros da sociedade careta que ainda vivemos.

Inspirado nas poesias eróticas do livro ‘O livro vermelho de Maria Vasco’. Pedro Nogh romanceou o texto, e dividindo a direção artística com Hayla Barcellos.

Serviço: http://rotacult.com.br/2017/09/sons-de-vermelho-estreia-no-solar-botafogo/

DEIXE UM COMENTÁRIO