O musical “Dançando no Escuro” nasceu do desejo dos atores-produtores Juliane Bodini e Luis Antonio Fortes de trazer para o teatro a adaptação do premiado filme homônimo de Lars von Trier, estrelado pela cantora Björk, que também compôs todo o repertório musical da obra que expõe o drama de uma mulher com uma doença degenerativa que a leva à cegueira, seu desmedido amor pelo filho e as injustiças sofridas por ela. A adaptação para o teatro é do nova-iorquino Patrick Ellsworth, a única permitida pelo cineasta dinamarquês.

A história de passa em 1964, nos Estados Unidos. Selma Jezková é uma imigrante tcheca que se muda para os EUA com seu filho Gene, um garoto de doze anos. Ela tem uma doença hereditária degenerativa que a faz peder a visão, algo que também vai acontecer com seu filho. Ao saber que nos EUA existem médicos que podem operar Gene, foi o suficiente para fazê-la imigrar para o país. Selma aluga um trailer na propriedade de Bill e sua esposa Linda, seus vizinhos, onde vive humildemente. Trabalha exaustivamente em uma fábrica com sua melhor amiga Carmen e guarda tudo o que ganha para a cirurgia que evite que seu filho sofra do mesmo destino. Mas quando Bill se vê em dificuldades financeiras rouba o dinheiro que Selma tinha economizado duramente. O roubo é o ponto de partida para trágicos acontecimentos.

A premiada atriz Dani Barros dirige esta montagem que conta com direção musical e arranjos do também premiado Marcelo Alonso Neves. As atrizes Juliane Bodini e Cyria Coentro interpretam as personagens que no filme de Lars von Trier foram de Björk e Catherine Deneuve. O elenco é composto por nove atores e atrizes cantores, que interpretam os principais personagens e outros menores, além de quatro músicos, dois deles cegos, um multi tecladista e um baterista, que tocam ao vivo a trilha sonora.

– Este musical foi um enorme e prazeroso desafio. Lidar com as composições inusitadas e fora dos padrões de Björk e Sjón Sigurdsson e conviver com esses fantásticos músicos que justo por não terem o “dom” da visão, trouxeram suas sensibilidades musicais. Além do apoio dos músicos, nós procuramos produzir a partir do próprio elenco a sonoplastia, utilizando sucata de metal que em última instância reporta aos sons da fábrica em que Selma trabalha e tem seus devaneios. A utilização dos sons corporais como instrumentos também foi uma ferramenta importante na criação das atmosferas musicais. Esse espetáculo estará marcado para sempre em minha carreia musical. – Marcelo Alonso Neves, diretor musical

– Lembro-me da primeira vez que vi Dancer in the Dark. Eu nunca tinha visto nada parecido antes. Eu achei isso audaz, generoso e absolutamente implacável. Era de alguma forma cinemática e profundamente íntima. Embora houvesse um outro mundo, era o filme mais humano que eu já vi. Quando fui abordado pela primeira vez para adaptá-lo ao palco, fiquei excitado e aterrorizado. No meu mundo, Lars e Bjork são vacas sagradas, e eu sabia que eu tinha que matá-las para que a história vivesse no palco. No começo, pouco avancei. Contudo, encontrei-me perguntando uma e outra vez: “Se Selma pudesse falar, o que ela diria?” Foi então que percebi o quão fechado Selma é. Eu queria que ela se abrisse e fale. – Patrick Ellsworth, autor da adaptação teatral

– Transpor para o teatro essa obra cinematográfica tão marcante veio da vontade de abrir os olhos para o mundo, abordando assuntos tão pertinentes como preconceito, exclusão social e injustiça. E assim, tentar mudar os padrões e os vícios de uma sociedade onde a intolerância prevalece e o descaso nos envenena. É preciso enxergar o outro. Assim, escolhemos fazer um trabalho, um movimento, que permita que todo o público tenha acessibilidade dentro e fora do palco.” – Juliane Bodini e Luis Antônio Fortes, idealizadores do projeto

Serviço
“Dançando no Escuro”
Musical baseado no longa-metragem de Lars Von Trier
Local: Sesc Ginástico (Av. Graça Aranha, 187, Centro, Rio de Janeiro)
Temporada: 19 de outubro a 19 de novembro de 2017, quinta a sábado às 19h e domingo às 18h
Ingressos: R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (para jovens até 21 anos, estudantes e maiores de 60 anos), R$ 7,50 (Associados Sesc)
Bilheteria: terça-feira a domingo, das 13h às 20h
Capacidade de público: 513 lugares
Duração: 120 minutos
Classificação: 14 anos
Drama Musical
Acessibilidade para pessoas com deficiência e assentos especiais
Audiodescrição e Libras aos domingos: 29/10, 5/11, 12/11 e 19/11

DEIXE UM COMENTÁRIO