A exposição Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964, em exibição no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro a partir do dia 26 de novembro, apresenta um panorama da fotografia de guerras civis e outros conflitos armados envolvendo o Estado brasileiro, entre a Proclamação da República e o golpe de 1964. Com curadoria de Heloisa Espada, coordenadora de artes visuais do IMS, a mostra conta com 338 imagens pertencentes a 30 coleções particulares e públicas de todo Brasil, além de fotografias do acervo do IMS. A abertura da mostra será no dia 25 (sábado), às 18h, com uma visita guiada pela curadora. O evento é gratuito e aberto ao público.

Conflitos contradiz a imagem de país pacífico que costuma ser associada ao Brasil e oferece um olhar retrospectivo sobre a história do país, trazendo à tona assuntos fundamentais para a compreensão da atual crise política. Alguns dos episódios abordados são a Revolução Federalista (1893-1894), a Revolta da Armada (1894-1895), a Guerra de Canudos (1896-1897), a Guerra do Contestado (1912-1916), a Coluna Miguel Costa-Prestes (1924-1927), a Revolução de 1930, motins populares na ocasião do suicídio de Getúlio Vargas e episódios violentos que ocorreram durante os primeiros dias do golpe de 1964. A exposição aborda o papel das imagens fotográficas nesses conflitos, seu uso político e suas formas de circulação, apresentando um amplo panorama histórico do desenvolvimento da fotografia documental brasileira durante o período.

Foram reunidos conjuntos fotográficos coesos de nomes já inscritos na história da fotografia brasileira, como Juan Gutierrez e Flávio de Barros, trabalhos de autores menos conhecidos, como Claro Jansson, e, ainda, imagens de inúmeros anônimos, amadores ou profissionais. A mostra traz cópias em papel de albumina, comuns no século xix, imagens projetadas, impressas sobre vidro, estereoscópios, cartões-postais, cinejornais, impressões em papel de gelatina de prata que pertenceram à redação de jornais e documentários da Agência Nacional originalmente captados em 16 mm. O resultado é um panorama heterogêneo sobre as práticas fotográficas no país.

Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964 envolveu um amplo trabalho de pesquisa, com consultoria da cientista política Angela Alonso, das historiadoras Heloisa Starling, Angela Castro Gomes e do pesquisador Vladimir Sacchetta. Em dezembro, ocorre o lançamento de catálogo homônimo com organização de Heloísa Espada e Angela Alonso.

Em paralelo à exposição, o IMS oferece ao público o curso Literatura e conflitos, uma série de encontros voltados para obras literárias que apresentam eixos temáticos relacionados a embates e lutas armadas. Com início no dia 22 de novembro, quarta-feira, clássicos da literatura universal e brasileira serão abordados por grandes especialistas em seis aulas Programação completa abaixo.

Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964
Visitação: 26 de novembro de 2017 a 25 de fevereiro de 2018
De terça a domingo, das 11h às 20h
Entrada franca – Classificação livre

Visitas mediadas para grupos: agendar pelo telefone (21) 3284 7485 ou educativo.rj@ims.com.br

Instituto Moreira Salles – Rio de Janeiro (Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea)

DEIXE UM COMENTÁRIO