A história do brasileiro Ayrton Senna, tricampeão mundial de Fórmula 1, o levou a ser reconhecido como um dos maiores pilotos de todos os tempos, herói nacional e ídolo internacional. A essência da sua personalidade e caráter, com espírito guerreiro e de solidariedade, será o foco no espetáculo “Ayrton Senna, o musical”, que estreia no Teatro Riachuelo Rio, dia 10 de novembro.

A velocidade inerente à vida de Ayrton Senna será representada no espetáculo com números aéreos e pendulares e pela experiência sonora e de iluminação que o público terá durante a apresentação. A direção do espetáculo é de Renato Rocha, artista que desenvolveu carreira internacional por quase 10 anos, reconhecido por unir circo e teatro.

“Não tem como fazer um espetáculo sobre Senna sem muita velocidade, sons e luzes. Teremos muitos números aéreos e pendulares. Será uma experiência sensorial, multidisciplinar, uma grande homenagem a um dos nossos maiores heróis”, comenta o diretor.

“Ayrton Senna, o musical” é a vigésima quarta produção da Aventura, em nove anos de estrada, e um espetáculo diferente de tudo o que já foi criado pela produtora até o momento. “Para falar sobre Ayrton Senna temos que voar alto”, comenta Aniela Jordan, sócia-diretora da Aventura.

Vinte e quatro atores, cantores, bailarinos e acrobatas compõem o elenco– formado após audição entre 100 pessoas. Hugo Bonemer (Hair, Yank!, Rock in Rio, o musical e A Lei do Amor) foi o ator escolhido para interpretar o ídolo Ayrton Senna. “Foi a audição mais difícil que já fiz. Além da pressão do personagem, o teste foi com uma música composta para o espetáculo”, comentou Hugo. “Eu buscava um ator que me emocionasse e o Hugo me emocionou com o olhar. Me lembrou o olhar do Senna pelo capacete”, disse Renato Rocha, diretor da montagem.

O texto de Claudio Lins e Cristiano Gualda traz grandes momentos da carreira e da vida de Ayrton Senna sem se tratar de uma biografia linear. O espetáculo se passa durante as últimas cinco voltas de Ayrton na pista de Ímola, em 1994. Durante esta grande corrida, vemos Senna encarar novamente os obstáculos que fizeram dele o maior piloto do mundo e reviver os seus grandes e emocionantes momentos na Fórmula 1. Além disso, uma história paralela costura a trama com personagens fictícios e especiais que dão suporte à narrativa. “É incrível contar a história de uma pessoa comum que virou um herói nacional. O País precisa de referências nesse momento”, diz Claudio Lins.

Quinze canções originais foram compostas especialmente para o espetáculo, também por Lins e Gualda. “Escrevemos a primeira canção e fomos apresentar à família Senna. Estávamos muito nervosos, pois ninguém tinha ouvido ainda e eles foram os primeiros. Foi um momento inesquecível, único, muito emocionante!”, comentou Gualda. A direção musical é de Felipe Habib.

 “Estamos trabalhando muito para a construção de uma coreografia forte, rápida e intensa”, comenta a coreografa Lavínia Bizzotto. Rodolfo Rangel que integra a equipe de criação do Cirque du Soleil comanda o desenvolvimento acrobático do elenco. “Temos oito acrobatas já experientes no elenco e, além deles, aproveitamos para também capacitar alguns artistas que já têm uma aptidão física para a realização de alguns movimentos acrobáticos corretamente e com segurança”, disse Rodolfo.

No cenário, Gringo Cardia traz a referência às pistas de Fórmula 1 com os elementos que pertencem ao mundo da velocidade, como pneus, capacetes, boxes e faixas. Um capacete com 3,5m de altura similar ao de Senna será um dos elementos gigantes do espetáculo que terá ainda um pneu com 6m de altura e 3,5m de comprimento que será um grande elemento acrobático em movimento que será utilizado para as coreografias. Completam o cenário um painel de LED com 6m x 7,5m de altura e boxes – simulando garagens da F1 – montados nas laterais do palco, que abrigará a banda.

Para trazer o ar das passarelas para o palco, Dudu Bertholini assina o figurino do espetáculo. “Esse musical fala sobre o que o Senna representa para todos nós e ele representa superação, coragem, vitória e enfrentar os medos. Isso tudo é uma leitura mais onírica, mais poética, então tivemos a possibilidade de criar uma linguagem para esse musical que é o que a gente faz na passarela também”, conta o estilista. Para sustentar as coreografias rápidas e os movimentos acrobáticos, Dudu recorreu à tecnologia para a confecção das peças. “Um exemplo é o macacão de piloto – que estamos reproduzindo na forma – e colocamos tacos de malha na lombar, nas entrepernas e axilas para que eles possam executar os movimentos. Escolhemos matérias-primas que têm essa funcionalidade e esse conforto”, explica Bertholini.

SERVIÇO
AYRTON SENNA, O MUSICAL
Local: Teatro Riachuelo Rio (Rua do Passeio, 40 – Cinelândia – Rio de Janeiro/RJ)
Temporada: de 10 de novembro a 04 de fevereiro
Horários: Quinta e sexta às 20h30; sábado às 16h30 e 20h30; domingo às 19h.
Ingressos: www.ingressorapido.com.br
Capacidade: 1000
Duração: 2h20 (com 15 min de intervalo)
Classificação etária: Livre

DEIXE UM COMENTÁRIO