2 de Dezembro | Saraus Cariocas apresentam: Marcela Nunes e Renato Muringa – Em Casa  – Sex, às 12h30 | R$30 | Livre

Com Marcela Nunes (flauta), Renato Muringa (bandolim), Lucas Telles (violão), Luisa Mitre (piano) e Daniel Guedes (percussão)

A flautista, compositora e arranjadora Marcela Nunes e o compositor e multi-instrumentista Renato Muringa apresentam o show “Em Casa”, criado a partir das composições autorais presentes no primeiro CD da dupla. Eles retornam ao Rio de Janeiro apresentando todo o repertório do álbum, cujas referências passam por choro, maxixe, valsa e polca, em composições escolhidas durante quatro anos de trabalho dos músicos. Também apresentarão parte de seu novo projeto, que está sendo preparado para 2017. Marcela e Renato são os idealizadores do grupo Choro Nosso, criado em 2012, que trabalha com a prática, pesquisa e difusão do choro produzido em Minas Gerais. Além disso, coordenam o bar musical “O Muringueiro – Música e Gastronomia”, que há dois anos recebe shows de música brasileira e é referência no samba e choro em sua cidade. Na apresentação da Casa do Choro, contarão também com a parceria de Lucas Telles (violão), Luísa Mitre (piano) e Daniel Guedes (percussão).

2 e 3 de Dezembro | Saraus Cariocas apresentam: Furiosa Portátil
Sex e Sáb, às 18h30 | R$30 | Livre

Criada em 2005, a Furiosa Portátil é uma orquestra popular, formada por alunos, ex-alunos e professores da Escola Portátil de Música – programa de educação musical através da linguagem do choro. Dentre seus membros estão importantes chorões cariocas como Rui Alvim, Pedro Paes, Nailson Simões, entre outros, sob regência de Pedro Aragão. Tem como principal objetivo mostrar a linguagem orquestral do choro e dar continuidade ao trabalho iniciado por compositores e arranjadores importantes como Pixinguinha, César Guerra-Peixe e Radamés Gnattali. Além disso, procura interpretar obras de compositores da atualidade, visando à renovação do repertório e à procura por novos caminhos dentro da linguagem do choro.

5 e 6 de Dezembro | Choro das Seis e Meia apresenta: Cristovão Bastos –  Seg e Ter, às 18h30 | R$30 | Livre

Cristovão Bastos é um dos mais refinados pianistas, compositores e arranjadores do país. Com mais de 50 anos de carreira, é parceiro de nomes como Chico Buarque, Paulo César Pinheiro, Aldir Blanc, Abel Silva, Paulinho da Viola e Elton Medeiros. Outras composições suas foram gravadas por Mauro Senise, Luciana Rabello, João Nogueira, Raphael Rabello, Simone, Ney Matogrosso, Zezé Gonzaga e Barbra Streisand, entre outros. Além da intensa atuação nos melhores palcos do país, Cristóvão é professor de piano na Escola Portátil de Música (EPM) – programa de educação musical através da linguagem do choro que atende cerca de mil alunos de na cidade do Rio de Janeiro. Na Casa do Choro, trará canções de seu extenso repertório musical, em apresentação que marca a comemoração de seu aniversário de 70 anos.

7 e 8 de Dezembro | Choro das Seis e Meia apresenta: Nó em Pingo D’Água lança CD ‘Sambantologia’

Com Celsinho Silva (pandeiro e percussão), Mário Sève (saxofone e flauta), Rodrigo Lessa (bandolim e violão de aço), Rogério Souza (violão 7 cordas) e Rômulo Duarte (baixo)

Nó em Pingo D’Água é um grupo carioca criado em 1979, que já acompanhou diversos intérpretes da MPB, entre os quais: Elizeth Cardoso, Ivan Lins, Paulinho da Viola, Moraes Moreira e Guinga. Em sua apresentação na Casa do Choro, o grupo fará o lançamento de seu mais novo trabalho, Sambantologia, prestando homenagem àquele que é considerado o mais brasileiro dos gêneros musicais, o samba – que tem em suas origens os ritmos africanos trazidos pela cultura Banto. Nó em Pingo D’Água apresenta aqui, em forma de recorte o que classifica como uma samba-banto-antologia. A partir de consultas e orientação dos estudiosos Sérgio Cabral e Carlos Didier, o repertório desta coletânea foi cuidadosamente selecionado com canções que tiveram papel de destaque dentro dos diversos estilos que surgiram na história do samba — temas com melodias e harmonias ricas para a execução instrumental, trazendo composições de artistas como Donga, Ismael Silva, Noel Rosa e e Tom Jobim.
Casa do Choro: Rua da Carioca 38, Centro | 2242-9947 | Qua e Qui, às 18h30 | R$30 | Livre

9/12 | Saraus Cariocas apresentam: Duo de Cordas Dedilhadas
Sex, às 12h30 | R$30 | Livre

Com Marcelo Lopes e Ramon Araújo (violões)

O Duo de Cordas Dedilhadas, formado pelo mineiro Marcelo Lopes (viola caipira) e pelo carioca Ramon Araújo (violão 7 cordas), trará para a Casa do Choro composições que buscam explorar as potencialidades da música brasileira em transcrições e arranjos de obras de nossos grandes compositores. Para além do universo rural, a viola vem conquistando espaço nas salas de concerto como instrumento solista de grandes possibilidades interpretativas. Já o violão de 7 cordas, conhecido por sua função de acompanhamento no universo do choro, ganha aqui destaque exercendo função de instrumento solista.

9 e 10 de Dezembro | Saraus Cariocas apresentam: Luzeiro
Sex e Sáb, às 18h30 | R$30 | Livre

Com Marcelo Bernardes (flauta/flautim), Rui Alvim (clarinete), Pedro Paes (sax tenor), Aquiles Moraes (trompete), Everson Moraes (trombone), Thiago Osório (tuba), Magno Julio (percussão) e Marcus Thadeu (percussão)

O Luzeiro é uma banda de Paquetá formada em 2009, que segue em sua formação instrumental o mesmo princípio das bandas tradicionais, numa versão reduzida: um flautim (Marcelo Bernardes), um clarinete (Rui Alvim), um sax tenor (Pedro Paes), um trompete (Aquiles Moraes), um trombone (Everson Moraes), uma tuba (Thiago Osório) e duas percussões (Magno Julio e Marcus Thadeu). Inspirados pela riqueza do universo das bandas de coreto, os músicos do Luzeiro trabalham para divulgar e dar continuidade a esta grande tradição, incluindo elementos atuais, como arranjos sofisticados, transcrições de obras fundamentais do repertório brasileiro concebidas para outras instrumentações, composições de autores pioneiros do século XIX e contemporâneos, e a improvisação coletiva enquanto expressão de uma linguagem musical nacional. Sintetizando a concepção musical do grupo, a banda leva o nome de uma música composta por Maurício Carrilho em homenagem ao mestre Anacleto de Medeiros (1866-1907), nascido e falecido na Ilha de Paquetá e grande responsável pela fixação das bandas de música como gênero instrumental no Brasil.

12 e 13 de Dezembro | Choro das Seis e Meia apresenta: Os Metais no Choro
Seg e Ter, às 18h30 | R$30 | Livre

Com Aquiles Moraes, Everson Moraes e Thiago Osório
Os Metais e o Choro é uma apresentação que celebra os instrumentos de metais, presentes na cultura de diversos países e também amplamente utilizados nos princípios do Choro. Muitos desses chorões se destacaram por serem regentes, professores, compositores e excelentes músicos, e fizeram parte das primeiras formações e gravações das bandas de música, além das primeiras gravações como solistas. Como disse Alexandre Gonçalves Pinto, em seu livro: “O Choro, reminiscências dos chorões antigos”: “Perpetuo estes musicistas descritos (…) para que as gerações d’agora e futuras saibam que existiu essa grande falange de chorões que elevaram e enalteceram as músicas genuinamente brasileiras”. Nesse espírito de evitar que a passagem do tempo leve ao esquecimento esses autores e obras, Aquiles Moraes, Everson Moraes e Thiago Osório irão realizar esta apresentação na Casa do Choro, que contará com com expressivos representantes dos metais como trompete, cornet, bombardino, trombone, oficleide e tuba em destaque.

14 e 15 de Dezembro | Choro das Seis e Meia apresenta: Choro Carioca Música do Brasil
Qua e Qui, às 18h30 | R$30 | Livre

Com Cristovão Bastos (piano), Mauricio Carrilho (violão), Luciana Rabello (cavaquinho), Aquiles Moraes (trompete) e Magno Julio percussão

O espetáculo conta a história do mais antigo gênero musical brasileiro, seus compositores e fatos marcantes ilustrados por projeções que retratam as transformações da cidade ao longo dos séculos. Da chegada da corte portuguesa, trazendo consigo instrumentos como o piano, o roteiro passeia por ritmos pré-choro como o lundu e a polca, passa pelas rodas de diferentes épocas e termina no choro contemporâneo. Registros de Lima Barreto e Paulo César Pinheiro pontuam alguns momentos do espetáculo, que também traz projeções de fotografias raras e de obras de artistas como Portinari e Debret. “Choro carioca: Música do Brasil” tem coordenação geral de Luciana Rabello, direção musical e arranjos de Mauricio Carrilho e Pedro Aragão e direção de imagem de Zeca Ferreira.

16/12 | Saraus Cariocas apresentam: Quarteto Pizindim
Sex, às 12h30 | R$30 | Livre

Com Rafael Esteves (bandolim), Emerson Bernardes (cavaquinho), Rodrigo Carneiro (violão 7 cordas) e Koka Pereira (pandeiro)

O Quarteto Pizindim vem se destacando no cenário do choro paulista. Formado por Rodrigo Carneiro (violão 7 cordas), Emerson Bernardes (cavaquinho), Rafael Esteves (bandolim) e Koka Nascimento (pandeiro), o grupo apresenta um repertório que abrange desde clássicos do choro até músicas autorais. Com técnica e interpretação única, o bandolinista Rafael Esteves traz forte apelo emocional com sua performance, além de ganhar o reconhecimento de outros músicos pelas suas belíssimas execuções. O grupo já se apresentou em diversas instituições culturais de São Paulo como na rede SESC, CEUs, Virada Cultural, Centro Cultural da Juventude, Memorial da América Latina, além de terem ficado em primeiro lugar no Festival de Choro Jorge Assad em São João da Boa Vista em 2014.

16 de Dezembro| Saraus Cariocas apresentam: Luciana Rabello
| Sex, às 18h30 | R$30 | Livre

Profissional desde 1976, Luciana é hoje uma das mais requisitadas e respeitadas instrumentistas do Brasil.

Sua trajetória teve inicio no conjunto “Os Carioquinhas”, na década de 70, e posteriormente na “Camerata Carioca”. Seu cavaquinho está nos discos e/ou shows dos maiores artistas da música brasileira, como: Chico Buarque, Paulo Cesar Pinheiro, Elton Medeiros, Elizeth Cardoso, Nana Caymmi, Maria Bethânia, Nara Leão, Baden Powell, Altamiro Carrilho, Caetano Veloso, Gilberto Gil, João Nogueira, entre outros). É considerada uma das maiores expressões do Choro da atualidade. É fundadora da gravadora e editora Acari Records, a primeira especializadas em Choro, já com mais de 60 títulos lançados. É presidente da Casa do Choro, realizadora do projeto Escola Portátil de Música, que desde o ano 2000 forma alunos de música na linguagem do choro, atendendo mais de 1.100 alunos em 2015. Tem 2 discos solo lançados, entre os mais de 50 que já produziu. Recebeu o Prêmio Shell de teatro, edição 2006, pela direção musical da peça Besouro Cordão de Ouro.

17/12 | Saraus Cariocas apresentam: Maria Bethânia
Sáb, às 18h30 | R$30 | Livre

Em leitura de textos e poemas escolhidos
Vem de muito tempo a ligação de Maria Bethânia com as palavras. Desde o colégio em Santo Amaro, quando seu professor Nestor Oliveira a ensinou, assim como a seu irmão Caetano Veloso, a ouvir poesia. Esta paixão pelas palavras ela levou para os palcos, nos textos que sempre recitou em seus espetáculos – desde o famoso show de estréia no Teatro Opinião, em 1965. E é esta relação com as palavras que Bethânia mostrar nesta leitura de poemas e textos escolhidos por ela, com os quais tem intimidade e que foram importantes para sua vida. Neste projeto, contou com a colaboração de Hermano Vianna e Elias Andreatto. Mesclando leitura e música, com canções pouco usuais em seu repertório, será acompanhado do violonista Paulinho Dafilin e do percussionista Carlos Cesar.

Serviço:
Local: Casa do Choro (Rua da Carioca, 38 – Centro)
Tel.: (21) 2242-9947
Capacidade do Auditório Radamés Gnattali: 100 lugares
Acessibilidade: Acesso para portadores de necessidades especiais
Bilheteria aberta 1h antes dos espetáculos (pagamentos apenas em dinheiro)
Mais informações sobre a Casa do Choro: www.casadochoro.com.br

 Foto: Milet Meirelles

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here