Assim que o vasto quarto da rainha Anne toma de assalto os olhos do espectador na primeira cena de A Favorita, com suas tapeçarias cobrindo cada centímetro do cômodo e seu longo vestido de pele arrastando-se pelo chão, fica claro que a palavra de ordem que guiará toda a produção é ‘opulência’ . Seja para recriar os aspectos históricos na corte inglesa do século 18, para demonstrar a superficialidade da alta classe formada por parlamentares de monarcas ou até mesmo na atuação da trinca principal do filme formada por Olivia Colman, Rachel Weisz e Emma Stone.

Ambientado na Inglaterra do século 18, período em que o país entrava nos estágios finais da guerra com a França e via seu parlamento se dividir entre aqueles que apoiavam uma negociação com o reino francês visando um cessar fogo e outros que apoiam a continuidade da guerra por meio do aumento de impostos,  A Favorita tem como foco os bastidores do governo da rainha Anne ( Olivia Colman em atuação colérica) e em sua relação conturbada com Lady Sara ( Rachel Weisz carrancuda e controladora), principalmente após a chegada na corte de Abigail ( Emma Stone em uma atuação que traz seu charme natural misturado a uma perfídia similar a de Salieri em Amadeus)

Primeiramente há de se destacar a opção do diretor Yorgos Lanthimos por uma estrutura narrativa que remete ao teatro para conduzir sua obra. Separando em oito capítulos ou atos, uma vez que não fica claro qual o tipo de divisão, o diretor escolheu. Lanthimos ganha a oportunidade de trabalhar com mais calma os diferentes aspectos da psicologia de cada personagem e suas relações interpessoais.

Por exemplo, em determinado ato entendemos melhor como funciona a dinâmica entre Anne e Sara. Já em outro vemos melhor os objetivos pessoais de Abigail ao passo que a relação entre a rainha e sua amante no ato anterior vai passando por turbulências. Já estando cientes disso, o ato seguinte retrabalha essas dinâmicas e por aí vai, esse estilo funciona principalmente porque o espectador vai conhecendo cada personagem e como ele está inserido naquele contexto social, ao mesmo tempo a narrativa jamais fica parada e tanto as intrigas na corte como as seduções a mantém atrativa, apoiados ainda por um roteiro que prima por dosagens de drama, humor negro e britânico (algo remetente a origem televisiva de um dos roteiristas), evitando de cair na velha armadilha de tornar uma adaptação de época em algo maçante.

Optando por esse formato narrativo, o diretor consequentemente confiou muito do sentimento de que a trama passa na condução de uma trilha sonora forte. Utilizando-se de clássicos como Vivaldi, Bach, Schubert, Handel e nomes modernos de peso como Elton John (similar ao feito em Maria Antonieta, de 2006), a maior parte das cenas é conduzida pelo som de violinos e instrumentos de corda, sendo que a todo momento há alguma musica tocando ao fundo, por vezes sendo conduzida melodicamente em momentos de calmaria ou de rápida comédia mas instantaneamente modificando-se em algo soturno a partir do momento que alguma intriga acontece. Não seria surpreendente ver a indicação de tal trilha sonora justamente por sua estrita ligação com a narrativa.

Outro ponto alto é a fotografia conduzida por Robbie Ryan principalmente quando o cenário se encontra escuro. O tom lúgubre dado aos intermináveis corredores do palácio aonde se situa a trama, quando se estão escuros encontra um balanço sinistro com as luzes de velas e candelabros espalhados pelos mesmos, luzes essas que refletem nos tons dourados das vestimentas reais e criam uma áurea ainda mais soturna. Nota-se que durante o dia, o tom de cores é até mesmo insosso e pouco atrativo, ganhando força na parte da noite. Ryan também varia a captação de ambiente através da lente da câmera, sempre querendo mostrar o máximo possível do opulento cenário em plano aberto (consequentemente tornando os personagens em cena míseros).

O trio de protagonistas é sem duvida a força motriz da obra e cada personagem é construído de tal modo que se encaixo com o outro. A Anne, de Olivia Colman, é uma mulher frágil, sem autoconfiança e consumida por tristeza, no entanto ela é a rainha e o fato de estar sempre sendo assediada por algum parlamentar ou pelas outras duas protagonistas a perturba ainda mais.

Lady Sara de Rachel Wasz já é o total oposto, uma vez que sempre que ela entra em algum ambiente sua presença se faz sentida pela própria nobre e não pelo título real como o da rainha. A construção de sua personalidade também deixa constantemente o espectador entre a admiração pela sua fibra ao mesmo tempo que desconfortável com sua sempre presente intromissão no trabalho que a rainha deveria desempenhar.

Já a Abigail, de Emma Stone, é o personagem que mais sofre metamorfoses durante a produção, começando como uma jovem inocente que chega a corte apenas para ter um local para morar e terminando como uma manipuladora insidiosa que, após atingir seus objetivos, se cansa da conquista e vai demonstrando traços de apatia e até mesmo de tortura psicológica. Mérito de Stone por subverter a expectativa inicial que a plateia desenvolve pelo seu estilo de atuação em algo diabólico, sem duvida uma das boas vilãs do ano e, assim como as outras duas atrizes mencionadas, pode concorrer ao Oscar.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here