Luísa Thiré idealizou homenagem à Tônia Carrero, com a peça que marcou a trajetória na carreira da avó: NAVALHA NA CARNE, de Plínio Marcos. Luísa interpreta a personagem que consagrou Tônia no teatro, a prostituta decadente Neusa Sueli. Alex Nader é o cafetão Vado e o ator Ranieri Gonzalez dá vida a Veludo. A direção é de Gustavo Wabner, um dos nomes da nova safra de diretores do teatro carioca.

A estreia acontece dia 11 de abril, no Sesc Copacabana. “Plínio Marcos retrata temas atuais, como violência, poder, homofobia, machismo e espaço da mulher na sociedade. Esses assuntos, minha avó, se viva estivesse, estaria embandeirando e estaria lutando pela liberdade de expressão, liberdade nas artes e cultura, respeito, tolerância, diferenças e pelo amor. Minha avó foi movida pela paixão. Eu sou apaixonada por ela. Sou movida pela paixão que sempre tive por ela e para realizar este projeto”, confidencia Luísa. NAVALHA NA CARNE UMA HOMENAGEM A TÔNIA CARRERO estreou ano passado, em 23 de agosto, no Sesc São Paulo, na data em que Tônia completaria 96 anos. Fez apresentações em Niterói e nos festivais de Pernambuco e Curitiba de 2019

A partir do dia 13, haverá uma pequena exposição – ETERNA TÔNIA – no foyer do teatro de arena. Desde a chegada, o público será inserido no “universo Tônia Carrero”. A mostra tem a curadoria de Luísa e expografia do cenógrafo Sérgio Marimba. “Nesse momento em que estamos falando sobre o empoderamento feminino, em que há tanta mulher massacrada e vítima de feminicídio, a gente grita e berra mais do que nunca. Acho emblemático e fundamental homenagear Tônia Carrero. Ela sempre lutou, não só por sua liberdade e espaço, mas também para ser exemplo de força motora para as mulheres”, revela Luísa Thiré.

 “Navalha na Carne provou para crítica e para o público, que a minha avó era uma grande atriz e não só uma linda mulher”, conta Luísa. O texto foi escrito em 1967. No ano seguinte, Tônia, Nélson Xavier e Emiliano Queiroz, dirigidos por Fauzi Arap, participaram da primeira encenação carioca do espetáculo. “A atual montagem não situa cronologicamente o espetáculo em nenhuma década específica, e pode ser classificado como atemporal, apesar da fidelidade ao texto que foi mantido na íntegra, com todas as gírias e a embocadura característica de Plínio Marcos.”, conta o diretor.

“Será que eu sou gente? Será que eu, você e Veludo somos gente? Eu chego até a duvidar. Duvido que gente de verdade viva assim, um aporrinhando o outro, um se servindo do outro”. Este trecho do texto resume o cotidiano de Neusa Sueli, uma mulher sem esperança, que não tem mais sonho, refém de uma rotina miserável, capaz de qualquer coisa para manter o cafetão. Vado, Sueli e Veludo têm uma relação de dependência, um precisa do outro.

Serviço
Navalha na Carne
Temporada: 11 de abril a 28 de abril.
Horários: De quinta a domingo, às 19h.
Classificação indicativa: 16 anos
Duração: 75min.
Ingresso: R$ 30 inteira | R$ 15 meia | R$ 7,50 associados SESC.
Local: Sesc Copacabana, 2º andar.
Endereço: Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana, Rio de Janeiro/RJ.
Telefone: (21) 2548-1088.

Exposição Eterna Tônia
Período: 13 de abril a 28 de abril.
Horários: Terça a domingo, das 10h às 21h.
Classificação indicativa: Livre
Ingresso: GRATUITO
Local: Foyer do Teatro Arena do Sesc Copacabana
Endereço: Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana, Rio de Janeiro/RJ.
Telefone: (21) 2548-1088

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here