Na cozinha real da Casa Rio, em Botafogo, Cristina Fagundes encena o solo “Eu, Mãe”, uma peça-legado-de-amor, no qual documenta para suas duas filhas, por meio de uma câmera que representa o ponto de vista delas, seu assombro com a passagem do tempo e com a recente maternidade. Ao longo do espetáculo, a intérprete se dirige às suas filhas, do outro lado da tela, ao mesmo tempo em que compartilha com o público suas experiências pessoais e reflexões de mulher e mãe aos 43 anos de idade.

Longe de ser mais uma peça sobre as dores e as delícias de ser mãe, Cristina, que também assina o texto e o dirige com Alexandre Barros e Daniel Leuback, vai além dos clichês e aborda com delicadeza e humor outras reflexões profundas e tocantes como a passagem dos ciclos da vida, o envelhecimento, a perda dos pais, os “eus” que deixamos para trás. Com uma encenação hiper-realista, que utiliza a cozinha como cozinha mesmo (a atriz inclusive passa um café ao longo da peça) e uma dramaturgia sem personagens, a artista abre a sua fala oferecendo ao público presente um chá de capim limão, como se estivesse realmente em casa. A partir daí vai contando ao espectador e registrando com a câmera para suas filhas, sua percepção da vida aos 43 anos de idade e mãe de duas meninas: Nina de 5 anos, e Bruna, de 3 anos. “É um espetáculo sobre maternidade, mas é também sobre amor, expectativas, do que esperamos da vida e do que ela nos traz. De quem somos e do que buscamos. É uma radiografia de um dos momentos mais intensos da vida de uma pessoa, que é quando galgamos um novo patamar do ciclo da vida e deixamos de ser filhos para virarmos pais, afirma Fagundes, Indicada ao Prêmio Shell de Melhor Direção e também ao Prêmio Cesgranrio de Melhor Autora pelo seu espetáculo “A Vida ao Lado”, de 2018.

Segundo a autora, a peça é uma conversa do presente com o futuro. É o sonho que toda mãe tem de continuar cuidando de suas filhas mesmo quando não estiver mais aqui. Em uma dessas mensagens direcionadas às filhas, por meio da câmera, a intérprete fala: “Eu quero que você, Nina, que hoje está com cinco anos, e que você, Bruna, que hoje está com três anos, possam, aí no futuro, me ver como eu sou hoje, no auge da saúde, da vitalidade. No auge da minha vida. E quero que assistam a essa gravação também quando tiverem quarenta e três anos de idade cada uma para que possamos por pelo menos uma vez na vida, num encontro único no tempo, ter a mesma idade. Eu queria ser amiga de vocês, ir caminhando junto com vocês, mas não posso, meu tempo é outro, eu vim primeiro. Então vamos fazer esse registro está bem? Esta cápsula do tempo.”

A encenação teatraliza elementos cotidianos, fazendo de um copo d´água que transborda, uma menção a uma tempestade de verão e caminha nessa fronteira sutil entre o que é teatro e o que é verdade. A própria atriz opera a luz do espetáculo, que é composta por diversas luminárias espalhadas pelo cenário. Há porta-retratos da família de Cristina compondo o ambiente e desenhos reais de suas filhas povoam as paredes. Em harmonia com essa encenação de registro autobiográfico, a trilha sonora é composta por músicas que marcaram a vida da intérprete, passando por Jimi Hendrix, Eric Clapton, Peter Gabriel, Allen Toussaint, Amy Winehouse, Eagles, U2, Pink Floyd, Sérgio Sampaio e Gonzagão, entre outros.

SERVIÇO
“Eu, Mãe”
Temporada: 07 a 10 de outubro de 2019
Local: Casa Rio ( Rua São João Batista, 105 – Botafogo )
Dias: Quartas e quintas às 20h
Classificação: 14 anos.
Duração: 60 minutos

Foto:  Renato Mangolin

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here