Nascido em 25 de abril de 1927, na costa leste francesa, Albert Uderzo ficou conhecido como o desenhista do renomado personagem “Asterix, o Gaulês”, junto a René Goscinny. Infelizmente, hoje, 24 de março de 2020, o desenhista faleceu em decorrência de um ataque cardíaco, não relacionado a pandemia de Coronavírus, com longínquos 92 anos.

Filho de imigrantes italianos, Uderzo começou sua carreira de desenhista logo após a Segunda Guerra Mundial em Paris, com um personagem idoso e perneta que consegue vencer todas adversidades. Muitos personagens ficaram famosos através do traço de Uderzo, como Belloy e Arys Buck. Ele conheceu o parceiro quadrinista, René Goscinny, em 1951 e tornaram-se grandes amigos. Um dos primeiros personagens da dupla foi Oumpah-pah, um nativo americano da tribo Shavashavah, o personagem foi adaptado e publicado oficialmente na revista Le Journal de Tintin, onde eram publicadas também as As Aventuras de Tintin, de 1958 até 1962.

Após muito sucesso na revista Pilote, Uderzo e Goscinny publicaram o primeiro livro de seu personagem mais famoso, “Asterix, o Gaulês”. Os quadrinhos da dupla seguiam as histórias das Guerras da Gália, campanhas de dominação romanas de Júlio Cesar. Toda Gália (o que seria a França hoje) caiu sob os pés de Cesar em 52 a.C., exceto uma aldeia de irredutíveis gauleses, pois ele tinham o incrível poder da Poção Mágica do druída, Panoramix.

Todos os quadrinhos de Asterix são obras de arte, como também o roteiro com um profundo embasamento histórico. O traço de Uderzo sempre foi excelente em representações cômicas, e também em suas disposições de cores. O personagem baixinho e bigodudo conquistou o mundo, se tornou um dos maiores clássicos das HQ’s e da literatura francesa. Os álbuns de coletâneas das “Aventuras de Asterix” venderam 380 milhões de cópias em 111 idiomas. O quadrinho ganhou várias adaptações animadas para o cinema francês, quatro filmes live-action com Gérard Depardieu e Christian Clavier, recentemente foi aos cinemas no Brasil a última animação sobre a tribo gaulesa de Asterix com o título de Asterix e o Segredo da Poção Mágica.

Uderzo ganhou o posto de Cavaleiro da Legião de Honra em 1985, e em 2015 entrou para a o Hall da Fama do Prêmio Eisner. Sua morte é uma perda inestimável para a arte e cultura francesa, porém sua arte está eternamente viva nas terras livres da Gália, onde os druidas colhem os ramos de visco com suas foices de ouro.

Foto destaque: Equipe/AFP

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here