The Vamps estão de volta com novo álbum, “Cherry Blossom”, que é um reflexo do tema renascimento que o permeia. Aliás, o novo álbum é um renascimento do The Vamps.

“Cherry Blossom” é o seu álbum mais pessoal e plenamente desenvolvido até agora – liderado pela arrasadora e excelente música “Married in Vegas” (indicada na BBC Radio 2 e no ‘Registro da semana’ por Matt e Mollie, na BBC Radio 1) Além disso, o álbum foi auxiliado pelo descanso forçado, com a banda tendo tempo e espaço para planejar meticulosamente o que eles exatamente queriam dizer.

“Antes, estávamos apenas fazendo coisas na estrada. Estava funcionando e e adorávamos, mas precisávamos de tempo para ficar entediados. Esta é a primeira vez que estou tão entediado que comecei a tentar coisas que nunca fiz antes”, explica o cantor, compositor e produtor Simpson.

The Vamps voltaram à velha rotina e escreveram a metade do álbum rapidamente, à 18 meses atrás. No entanto, algum tempo de folga era necessário, então eles se entregaram a aquela coisa rara de terem um espaço longe da banda. “Tivemos muito tempo para pesquisar nossa alma, mas também como músicos, tivemos tempo para ouvir uma variedade de álbuns diferentes e apenas desfrutar a música”, explica McVey.

Eem seu quinto álbum, eles tiveram que fazer um balanço, “Quando você está em turnê, é muito reativo e você não está necessariamente mergulhando fundo em seus relacionamentos como uma banda”, diz Simpson.

O The Vamps chamou então colaboradores regulares, como Jack & Coke (Rita Ora, Charli XCX), Lostboy (Zedd, Dua Lipa) e JHart (Camila Cabello, The Script) para ajudarem a moldar as músicas, ao lado de Simpson, que assumiu a liderança de grande parte da produção.

No início deste ano, o álbum foi enviado para a gravadora da banda. Eles sabiam que tinham uma forte coleção de sucessos e baladas que contavam a história de uma banda renascendo, mas eles não estavam totalmente certos sobre qual música deveria marcar o início do “The Vamps Part 2”. Foi quando o Zoom realmente se tornou importante. “No dia em que entregamos o álbum, fiz uma ligação no Zoom para o produtor Lostboy”, explica Simpson. “Bebemos algumas cervejas e, quatro horas depois, nasceu ‘Married in Vegas'”.

Cabe a McVey preencher as lacunas. “Eu estava jogando Playstation com meus amigos e era cerca das 23 horas e eu também estava bastante bêbado. Então, Brad me chamou pelo FaceTime e disse ‘Acabei de escrever essa música!’. Adoro momentos como esse porque, mesmo quando você pensa que algo está terminado, você ainda pode mudar no último minuto”, diz ele. De repente, a corrida para ser o primeiro single do “Cherry Blossom” foi vencida por uma nova música, um sinal claro de que sua criatividade estava em pleno desenvolvimento. “Essa música apareceu e nós pensamos ‘certo, foda-se, é esta!’. Foi bom ter essa clareza”.

 Em “Cherry Blossom”, aquela musicalidade que ocasionalmente se perde em agendas frenéticas de lançamentos, turnês mundiais e premiações tem tido tempo para florescer adequadamente. Este não é um veículo para a atual safra de compositores e produtores requisitados da pop music, este é um projeto líder do The Vamps que se tornou ainda mais impressionante pelo fato de ter sido aprimorado e refinado durante o lockdown.

“Estaríamos mentindo se disséssemos que não gostaríamos que ele saísse pelo mundo e fosse recebido positivamente”, diz Simpson sobre suas esperanças para o álbum. “Mas, em última análise, nós o amamos muito, e esse sentimento de auto realização é muito emocionante. Essas são músicas que realmente tocam em partes de nossas vidas”. Ele sorri. “As músicas significam esse ‘algo mais'”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here