Mais do que um projeto de música instrumental – o que já seria louvável, pensando-se no quão o gênero tem valorização aquém de seus muitos talentos no País -, o Festival Instrumental Mulambo Jazzagrário pode ser considerado um projeto político-musical, especialmente agora.

A primeira edição do Festival Instrumental Mulambo Jazzagrário aconteceu em 2016, na Zona Oeste do Rio de Janeiro em um movimento em homenagem ao ativismo do multi-instrumentista carioca Fernando Grilo, que faleceu precocemente aos 22 anos, em 2015, quando viajava para fazer uma parceria com o percussionista Naná Vasconcelos, e influenciou uma geração de músicos, produtores e agitadores culturais da cena música instrumental independente e suburbana do Rio de Janeiro.

Através de iniciativas como “Jazz na caixa” (na Vila Aliança, em Bangu), “Realengo of Jazz” (no Viaduto de Realengo), e a “Oficina de música criativa (em Manguinhos, Benfica), agitando a cena musical dos subúrbios da cidade com uma caminhada militante a favor da visibilidade da cena instrumental periférica, Grilo atingiu espaços marcados pela violência policial e abandono do estado, alimentando sons de qualidade de modo acessível e gestando assim uma rede de possibilidades para músicos das favelas e guetos.

Ao longo de seus quatro anos, o festival batizado com o nome da banda de Grilo, vem se tornando uma ferramenta de resgate das narrativas sonoras marginais e busca servir como janela de visibilidade para a música instrumental periférica criada e potencializada nos subúrbios do país, que muitas vezes não alcança os grandes centros e a grande mídia, visto que o gênero é estigmatizado como algo hermético e elitista, mesmo com a popularização de ritmos como o choro e o samba-jazz.

Sua sexta edição acontece em 10 e 11 de abril, sábado e domingo, a partir das 16h, em formato on-line, no YouTube da Rádio Escada, com patrocínio da Lei Aldir Blanc, o que possibilitou a reunião de grandes nomes da música instrumental aos novos talentos garimpados por Nathália Grilo, viúva de Fernando Grilo, e Roberto Barrucho, que assinam a curadoria.

“A programação partiu de algumas premissas: o desejo de mostrar uma síntese do que foi o festival até aqui, então fizemos questão de convidar grupos que já figuraram em outras edições. E também de expandir o olhar para além da periferia e ter na programação também grandes referências do gênero, como Carlos Malta, Amaro Freitas e Djalma Côrrea, a fim de fazer uma reunião de diferentes gerações e, sobretudo, de realidades, assim como propor encontros inusitados com o clima de jam sessions que temos na nossa essência”, comenta Roberto Barrucho.

Nathalia Grilo complementa: “As jams sempre foram a grande pulsação da música instrumental em sua origem libertária, que é uma das nossas bandeiras. Assim como os inferninhos foram importantes não só na formação do gênero, mas também no sentido de empoderar músicos marginalizados, o festival se propõe a ser um espaço no subúrbio do Rio de Janeiro em que eles possam trocar, compartilhar, se desenvolver, se profissionalizar, encontrar com seus iguais e também com suas inspirações, que mostram algo importantíssimo: o caminho de transpor abismos é possível”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here