O Itaú Cultural lamenta a morte do arquiteto Paulo Mendes da Rocha (1928-2021), aos 92 anos. Com uma atuação intensa na arquitetura brasileira e para além do país, ele deixa um vasto legado, do qual boa parte pode ser conferida no site e canais digitais do Itaú Cultural.

 “No projeto que ele fez conosco em setembro de 2018, para a Ocupação em sua homenagem, me chamou atenção o interesse dele em mostrar as obras que não se realizaram para um grupo de estudantes de arquitetura, revelando em seu rosto a beleza de ouvir e compartilhar conhecimento”, diz Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural.

Aliás, a Ocupação foi aberta um mês antes dele completar 90 anos. Na mostra, foram reunidos projetos do arquiteto que nunca saíram do papel e nem expostos no Brasil, tidos como trabalhos mais radicais e experimentais. Para acompanhar e tornar mais perene o conteúdo desta Ocupação, foi produzido amplo material para o site da mostra, com textos e depoimentos sobre a sua obra. Aliás, a versão digital da publicação está disponível para download.

Para esta ocasião, Mendes da Rocha gravou vídeos abordando os temas levados ao espaço expositivo, como as questões fluviais, a ideia de criar uma cidade portuária nas águas do Rio Tietê, desenhada em 1980  e um olhar sobre a arquitetura como um encontro entre arte, ciência e técnica .

“Não há conflito entre arte, ciência e técnica. Temos que convocar o universo de conhecimento contido nesses horizontes de larga escala, que são chamados artísticos, científicos ou técnicos de uma vez só. Não só um pouco disso e um pouco daquilo. É preciso ter, de uma vez só, um raciocínio que contenha arte, ciência e técnica. Eis, é a arquitetura. Qualquer um dos projetos que eu tenha feito na minha vida contém tudo isso, na justa medida.”

Em suas diferentes participações no Itaú Cultural, Mendes da Rocha sempre atraiu grande número de admiradores de sua obra e estudantes de arquitetura. Em 2013, foi um dos convidados de Oscar Niemeyer, um seminário, realizado no prédio da organização, em São Paulo. No encontro, ele falou sobre a ideia de construção da cidade na obra de Niemeyer.

O seminário integrou a exposição Oscar Niemeyer: Clássicos e Inéditos, no Itaú Cultural, para a qual ele também gravou depoimento. Em https://www.youtube.com/watch?v=f5rsxy1TWbc, comentou a presença de Niemeyer em São Paulo, e citou o Copan e o Parque Ibirapuera como exemplos de como a arquitetura pode explorar o chamado espaço urbano.

Em 2015, na Ocupação Vilanova Artigas, Mendes da Rocha esteve presente no material produzido para o portal do Itaú Cultural. Ele leu um discurso escrito por Artigas como paraninfo da turma de 1964 da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, FAU/USP. Por ocasião da mostra, o arquiteto conduziu, ainda, um encontro no Itaú Cultural onde falou sobre o seu colega homenageado e as principais características de seu estilo.

O amplo material sobre a trajetória de Paulo Mendes da Rocha pode ser conferido, ainda, no verbete da Enciclopédia Itaú Cultural sobre o arquiteto.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here