Peça é inspirada na musa Gala Dali, de Salvador Dali.

G.A.L.A.
Foto: Nicolas Caratori

Embalado por uma trilha sonora eclética o espetáculo” G.A.L.A.”, do autor e diretor Gerald Thomas e a atriz Fabiana Gugli, nos coloca diante de um mundo totalmente surreal, tropicalista inventado, com o desabafo existencial da personagem que dá nome a peça. Aliás, o nome “G.A.L.A.” faz referência a elegância da personagem em uma noite de gala, mas também é levemente inspirada numa musa, a Gala Dali, do Salvador Dali.

Gerald Thomas provoca com sua dramaturgia cáustica em quem a experimenta, atores ou espectadores, impressões a partir das suas visões de mundo. Thomas diz que é preciso saborear a obra ao invés de querer ou tentar entendê-la.

Uma mulher num barco à beira do naufrágio, sozinha como a população do mundo em tempo de pandemia, que briga com o autor-diretor dizendo que “Beckett não está mais lá” e que “chega de Beckett!”. Ela está em busca de uma saída viável e deve encontrá-la no final de peça. G.A.L.A. estreia nacionalmente na noite de 22 de setembro, quarta-feira, às 21h, com transmissão gratuita pelo canal do Sesc Avenida Paulista.

“Ao receber o texto dessa nova peça, não tinha ideia de como ele poderia ser dito ou como ele poderia ser montado. Isso é muito próprio da dramaturgia do Gerald, a palavra é só mais um elemento na cena. Só quando os ensaios começam, a encenação dá suporte à dramaturgia e os sentidos e significados começam a aparecer e ganhar conexões muito peculiares. Nessa peça especificamente muitas imagens habitam este lugar onírico: uma mulher à deriva, rompendo uma relação, o rompimento com Beckett e seu universo, uma inversão de papéis entre musa (GALA) e criador, delírio, sonho, referências ao surrealismo, uma busca de sentido e uma imensa solidão. Por enquanto, ainda me sinto como a mulher da peça, à deriva”, comenta Fabiana Gugli.

Gerald Thomas conta que, “Quanto mais eu vivo mais eu percebo que ninguém sabe nada. Ninguém lembra de nada, aliás, fica todo mundo arrotando verdades. E vai se criando um arquipélago de verdades: “isso tem que ser assim e isso tem que ser assim”. Uma espécie de ordem artificial que Deus não botou ali, mas a classe média botou ali. E quando surge uma pessoa que coloca isso em dúvida e coloca o artista como aquele que faz entender, mas não faz, o artista confunde mais. Eu vejo qualquer peça como uma pessoa em uma esteira rolante de um aeroporto sendo bombardeada por uma série de anúncios aleatórios, sendo nutrida de muitas informações diferentes e reagindo pela sua empatia ou não”.

Serviço
G.A.L.A.
De Gerald Thomas
Com Fabiana Gugli
Estreia: 22 de setembro de 2021, às 21h, com transmissão no Youtube do Sesc Avenida Paulista
Ingressos: Grátis
Duração: 45 minutos (aproximadamente)
Classificação: 16 anos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here