A cantora e compositora australiana Natalie Imbruglia enfrentou um dos pesadelos para criadores: o bloqueio criativo em seu novo álbum. Após pensar em deixar de lado sua carreira musical, ela se desafiou e buscou o caminho para sua auto confiança em “Firebird”, seu primeiro álbum de inéditas em seis anos, já disponível nas plataformas de música.

A cantora que estourou nos anos 90, começou sua carreira na música no topo das paradas com “Torn”. Agora, prestes a lançar seu sexto trabalho de estúdio, ela tem 10 milhões de álbuns vendidos e 1 bilhão de streams, junto de uma coleção de prêmios invejável.

Para a produção de “Firebird”, a artista fez sessões de composição ao redor do mundo com grandes nomes como Romeo Stodart, do The Magic Numbers; KT Tunstall; Luke Fitton (Little Mix, Girls Aloud); Fiona Bevan (One Direction, Ed Sheeran); Rachel Furner (Little Mix, Jason Derulo, Craig David); entre outros.

No verão de 2018, ela foi para Nashville por dez dias de intensas sessões de composição. “Eu me joguei no fundo do poço para ver o que achava. Eu chorei muito e houveram dias em que senti que não conseguia mais fazer isso. Então escrevi ‘When You Love Too Much’ e simplesmente fluiu a partir daí. Foi um ponto de virada. Às vezes, na vida, só precisamos de um pequeno lembrete de quem somos e do que somos capazes”, diz Natalie Imbruglia sobre redescobrir sua voz.

Natalie completa, “Fazer este álbum foi uma experiência profunda e satisfatória. A cada sessão e a cada novo colaborador, comecei a ganhar confiança, reencontrar minha voz e criar o som e o estilo que pareciam autênticos para mim. É um privilégio trabalhar com tantos talentos no ‘Firebird'”.

O álbum foi gravado inteiramente à distância durante a pandemia com produção de Natalie e MyRiot (Aurora, London Grammar, Birdy, James Morrison, Primal Scream) com detalhes adicionais de Albert Hammond Jr, Gus Oberg (The Strokes) e Romeo Stodart (The Magic Numbers).

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here