“Chega de saudade!” apresenta biografias e memórias da Bossa Nova, na emergência de um Rio de Janeiro do “amor, do sorriso e da flor”, dos anos 50 e 60, com atrizes e atores negros. No elenco estão Flávio Bauraqui, Vilma Melo, Andrea Bak, Hugo Germano, Matheus Macena, Muato e Ona Silva. Aliás, a trama foi criada colaborativamente pelos atores ao longo da pandemia, com texto de Pedro Kosovski.

As canções-ícone do movimento conduzem a narrativa compondo um fluxo emocional que evoca e, ao mesmo tempo, atualiza o movimento musical, fazendo um paralelo entre o Rio de Janeiro cantado naquelas canções idílicas e como de fato é a cidade, na visão de um grupo de artistas de outro perfil, aspirações e inspirações.

Chega de Saudade!” é uma retomada ficcional de personagens, biografias e memórias da Bossa Nova, na emergência de um Rio de Janeiro do “amor, do sorriso e da flor”, no final dos anos 50, início dos anos 60, em uma versão dissonante performada agora por atrizes e atores negros que criaram, colaborativamente, ao longo do ano pandêmico de 2020/21, esta obra.

O uso da fotografia e de materiais de arquivo apontam também para a construção de uma sensibilidade cultural e estética de uma nação inventiva e cordial, hoje, um tanto quanto marcada por violências e traumas políticos, raciais e sociais. Esta peça-filme é dividida em três partes, “Sorriso” “Flor” e “Amor”. Na primeira parte, uma reconstituição do célebre sarau no apartamento de uma jovem Nara Leão. Na segunda parte, em um teatro, artistas tentam realizar um documentário que busca ser uma canção de amor um tanto quanto amarga para ser ouvida hoje. E na parte final, em uma roda de conversa, artistas discutem a realização dessa obra em meio à pandemia.

O movimento criado nos anos 50 por jovens brancos e de boas condições financeiras – que falavam de temas banais como o amor e tinham como cenário as praias do Rio de Janeiro – trouxe inovação à música brasileira e criou novas formas de batidas de violão e de harmonia. Na versão d’Aquela Cia, personagens reais como João Gilberto, Roberto Menescal, Sylvia Telles, Nara Leão e Carlos Lyra ganham versões encenadas por atores negros. Ao mesmo tempo que, do seu modo, o coletivo presta uma homenagem à Bossa Nova já em seu título, o ponto de exclamação anuncia para onde caminha o espetáculo.

A peça-filme é dividida em três, com nomes que se referem a “o amor, o sorriso e a flor” – segundo álbum de João Gilberto (lançado em 1960) e cujo verso está também na canção “Meditação”. O espetáculo começa com a recriação ficcional de um sarau no apartamento da jovem Nara Leão, nas criações de canções como “Desafinado” (de João Gilberto), “O Barquinho” (de Roberto Menescal) e “Garota de Ipanema” (de Tom Jobim).

Na segunda parte, esses jovens saem dos apartamentos onde os encontros aconteciam para um teatro (vazio), na busca pela produção de um documentário sobre o período, com os os artistas se questionando como aqueles jovens dos anos 1950 veriam este futuro, tão distante do sonho de Brasil que eles cantaram.

Na terceira, finalizados os trabalhos de captação, o elenco fala sobre suas próprias experiências na criação do espetáculo e suas relações com o tema e o momento.

Além das encenações, “Chega de Saudade!” faz uso de materiais de arquivo como fotografias e matérias de jornais que mostram a construção da cena cultural e estética daquela nação, hoje um tanto distante devido aos traumas políticos, raciais e sociais.

Serviço
“Chega de Saudade!”
Duração: 65 minutos | Classificação indicativa: Livre | Acessível em audiodescrição e libras
Estreia no canal do YouTube Sesc SP
28 de novembro de 2021, domingo, às 19h
Estreia e temporada no YouTube d’Aquela Companhia
De 1º a 12 de dezembro de 2021 – Quartas a sextas às 21h;
Sábado e domingos: duas sessões – às 18h e às 21h
Dia 13 de dezembro de 2021 às 21h
Grátis
Bate-papo
Nos dias 04, 05, 11 e 12 de dezembro, após a exibição das 21h, haverá um bate-papo com o diretor, dramaturgo e convidado.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here