"Poemas de Niterói" O terceiro volume de “Poemas de Niterói”, de Marcos Nasse, reúne poesia como um modo de partilha que se faz quando se é capaz de transcender os limites da sua própria linguagem; quando se é capaz de causar espanto e silêncio de uma só vez e a partir de versos – e poema como um construto verbal, como uma forma literária especial.

O livro funciona como labirinto de palavras que encarnam memórias, que performam instantes, que destecem o tempo. Segundo a mestre em Linguística e Estudo Relacionados Milena Saldanha, o escritor Marcos Nasser cumpre a tarefa de poetas ousados, que como um tecelão borda a existência com essas palavras.

“Tarde, sempre tarde, pelas ruas/ Percorro o tempo/ Esse tempo e aquele tempo,/ O tempo sempre do não mais./ O tempo. Um tempo que se define a partir da relação que o homem estabelece com a palavra, com o pensamento. Tempo de arquétipos circulares e de palavras gastas. Tempo capaz de reencarnar velhos mitos e de renová-los também. Um tempo que cresce e que habita no poema e em todos nós: tempo em que há vida. Oh o tempo crescendo CRESCENDO CRESCENDO”, observa o poeta.

O objetivo de “Poemas de Niterói” –3º volume é estimular o leitor a olhar para a linha de seu próprio tempo e tateá-la a partir das suas frestas, percebendo (e lidando) com a incompletude.

Anteriormente ancorado nas mazelas sociais e num cotidiano marginalizado e decadente, neste terceiro volume o autor reforça que viver não pode ser somente esperar a morte e, de fato, entre o início e o fim há tanto para se contar, há tantas formas para se olhar, há tantas palavras a se dizer e coloca em sua poesia o compromisso da leveza, associado também à intensidade.

Na obra de Marcos Nasser apresenta-se um novo olhar para o mundo, desde o barro no qual fomos moldados, de onde fomos gerados, até as pessoas que nos marcam para sempre. Tudo faz parte da riqueza que é a vida quando nos permitimos questioná-la, revê-la, repensá-la. O objetivo das poesias e poemas que escreve é instigar, estimular, provocar, fazer transcender do banal, do raso, tudo sob uma estética mais decadencista para falar de si e do mundo e em prol de uma poesia para se e para tirar a todos do lugar comum, da zona de conforto. Em “Poemas de Niterói” – 3º volume, a cidade pela qual é apaixonado, confronta e provoca justamente para mover esse mundo.

Esta terceira coletânea reúne, em mais de 370 páginas, 265 textos. Menos otimista, mais cético e ríspido, Nasser acredita que “Somos sem destino” mas lembra que há uma flor a brotar nos momentos menos prováveis.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here