Entusiasmo, vigor e pluralidade caracterizam o eclético repertório que a OSB levará ao palco do Teatro de Câmara, na Cidade das Artes, dias 2 e 3 de julho. Sob regência do maestro e violinista Daniel Guedes, que também se apresentará como solista, o grupo interpretará obras César Guerra-Peixe, Radamés Gnattali e Ludwig van Beethoven. Aliás, Kleber Vogel (bandolim), Rogério Caetano (violão) e Ana Rabello (cavaquinho) completam o time de solistas do programa. Já no domingo, a apresentação será no formato Concertos para a Juventude – récitas matinais de caráter didático, com ingressos a preços populares.

Partindo de uma peça inspirada pela música tradicional nordestina, passando pelo choro carioca e chegando ao universo da música alemã, o espetáculo explora diversas possibilidades sinfônicas, em um repertório que vai do popular ao clássico. A obra que inicia o programa é o Concertino para Violino e Orquestra de Câmara, de César Guerra-Peixe.

Escrita entre os anos de 1970 e 1972, a peça foi uma encomenda do Movimento Armorial e revela toda a maestria com que o compositor combinava o riquíssimo folclore nordestino com técnicas e elementos da música de concerto. Suas pesquisas de campo pelo Nordeste do Brasil estão claramente refletidas na peça: nela o violino por vezes soa como uma rabeca, apoiado pela pequena orquestra. São três os movimentos dessa pequena obra-prima: um incisivo “Allegro comodo”; um fantástico “Andantino” com uma longa introdução a cappella; e um finale empolgante, “Allegro un poco vivo”. Nesta execução, Daniel Guedes, se dividirá entre a regência e o violino, atuando como solista.

A Suíte Retratos, segunda obra do programa, figura entre as mais emblemáticas composições de Radamés Gnattali. Nos quatro movimentos, ele utiliza uma rica paleta sonora para pintar musicalmente a imagem de mestres da música brasileira, incorporando elementos estilísticos e mesmo trechos de obras dos artistas homenageados. Para o movimento “Pixinguinha”, o compositor retomou os choros “Carinhoso” e “Ingênuo”; em “Ernesto Nazareth” ele utilizou a valsa “Expansiva”; no movimento dedicado a Anacleto de Medeiros, Gnatalli escolheu o tema do choro “Três Estrelinhas”; já no último, dedicado a Chiquinha Gonzaga, o compositor optou pelo icônico “Corta-Jaca”. Todo esse rico material é trabalhado de forma inspirada, resultando em uma composição marcante, na qual música popular e música de concerto se amalgamam em uma verdadeira apoteose do choro. O violinista da OSB, Kleber Vogel, que nesta peça assume o bandolim, o violonista Rogério Caetano e a cavaquinista Ana Rabello são os solistas.

A última obra do programa também surgiu como uma homenagem, mas o compositor, após um episódio de total desencantamento, decidiu remover a dedicatória. Ludwig van Beethoven tinha ninguém menos do que Napoleão Bonaparte em mente quando compôs a sua colossal 3ª Sinfonia. No entanto, ao saber que suposto herói da liberdade havia se proclamado imperador, o mestre alemão rasgou furiosamente a página da partitura que trazia o nome do governante. A Sinfonia grande Intitolata Bonaparte ganhou então o nome de Sinfonia Eroica, que conhecemos hoje. A obra é um marco da segunda fase de Beethoven, sobretudo pela sua proporção e pela sua complexidade. O movimento inicial é um “Allegro con brio” exclamativo, permeado de clímaxes. No lugar do tradicional movimento lento, o compositor insere uma “Marcha Fúnebre” de grande força dramática. Um “Scherzo” cheio de dinamismo funciona como terceiro movimento, e a sinfonia acaba com um finale triunfante constituído por uma série de variações.

SERVIÇO:
OSB – Série Sinfônica Brasileira
Dia 2 de julho de 2022 (sábado), às 19h
OSB – Concertos para a Juventude
Dia 3 de junho de 2022 (domingo), às 11h
Local: Cidade das Artes | Teatro de Câmara (Avenida das Américas, nº 5.300, Barra da Tijuca)
Ingressos à venda na bilheteria da Cidade das Artes e no site Sympla

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here