David Cronenberg está de volta para perturbar nossas mentes, novamente!
 
Em “Mapas para as estrelas”, relações doentias e personagens perturbados protagonizam o filme, trazendo à tona um desejo de liberdade repreendido.
 
Nada é simples, a típica família hollywoodiana não existe, são relações familiares conturbadas. Sanford é um psicólogo que fez fortuna com livros de autoajuda. Christina, sua mulher, passa a maior parte dos seus dias cuidando da carreira do filho Benjie, um astro mirim de 13 anos que acaba de voltar da reabilitação e completando a família, Agatha, a filha “perdida” está de volta.
 
Em seu novo filme, Cronenberg (Cosmópolis) trata de cabeças decadentes, o sucesso é relativo, o desejo é um sentimento repreendido em todos os personagens, seja pela liberdade, pelo sucesso, por drogas, por amor, ou simplesmente de ser aceito, novamente.
 
“Mapas para as estrelas” não é um filme fácil de se ver (alias, nenhum filme do diretor).  Roteiro impecável, direção competente e algumas atuações boas, mas quem chama atenção é Julianne Moore por sua atuação soberba, que foi  premiada no Festival de Cannes deste ano na categoria melhor atriz.
 
É um brilhante pesadelo que vale a pena conferir!
https://www.youtube.com/watch?v=SCH_hLj_rxY

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here