Nos dias 4, 5 e 6 de dezembro, em torno da estreia do filme Berio sem censura, o Instituto Moreira Salles, a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e a Secretaria Municipal de Cultura promovem maratona das óperas multimídia da compositora brasileira Jocy de Oliveira. Serão exibidos na mostra Revisitando Stravinsky (2010), Kseni – A estrangeira (2006) e Berio sem censura (2012).
A exibição faz parte do projeto Desmistificando a música contemporânea, que tem como objetivo aproximar a obra de compositores eruditos contemporâneos do público de diversas comunidades. A partir do livro Diálogo com cartas, de Jocy de Oliveira, que reúne mais de 120 correspondências trocadas entre a autora e importantes compositores do século XX, será realizada uma série deperformances, encontros, debates e projeções.
Pioneira no desenvolvimento de trabalhos multimídia no Brasil envolvendo música, teatro, instalações, textos e vídeo, Jocy é a primeira compositora brasileira a compor e dirigir suas óperas. Ela busca uma nova linguagem cênico-musical, tentando encontrar novos modelos de estruturas que possam vir a transformar o conceito tradicional de ópera. Nos três dias de exibição de seus filmes, haverá uma introdução da autora antes das sessões de Berio sem censura.
PROGRAMAÇÃO
4 de dezembro | sexta-feira
16h  Revisitando Stravinsky de Jocy de Oliveira (Brasil, 2010, 103’)
(sessão para escolas)
18h Kseni – A estrangeira  de Jocy de Oliveira (Brasil, 2006, 74’)
19h30 Berio sem censura  de Jocy de Oliveira (Brasil, 2012, 132’)
(com introdução da autora)
5 de dezembro | sábado
16h Revisitando Stravinsky de Jocy de Oliveira (Brasil, 2010, 103’)
18h Kseni – A estrangeira de Jocy de Oliveira (Brasil, 2006, 74’)
19h30 Berio sem censura De Jocy de Oliveira (Brasil, 2012, 132’)
(com introdução da autora)
6 de dezembro | domingo
Revisitando Stravinsky de Jocy de Oliveira (Brasil, 2010, 103’)
18h Kseni – A estrangeira  de Jocy de Oliveira (Brasil, 2006, 74’)
19h30 Berio sem censura de Jocy de Oliveira (Brasil, 2012, 132’)
(com introdução da autora)
  
SINOPSES
Berio sem censura
O script aborda a vivência da autora Jocy de Oliveira com o compositor Luciano Berio e as cartas do compositor escritas a ela. O tom das correspondências e dos comentários feitos pela compositora durante a ópera permeia não somente observações musicais como momentos contundentes de afeto, emoção e drama, além de histórias fascinantes.

Com música de Luciano Berio e Jocy de Oliveira, Berio sem censura contou com a participação da Orquestra Sinfônica Brasileira, sob a regência de Roberto Minczuk, o Ensemble Jocy de Oliveira e solistas.
Kseni – A estrangeira
Nesta ópera, a autora resgata a figura de Medeia, personagem da mitologia grega que representa a mulher transgressora, imigrante, discriminada, para abordar a intolerância perante o que é diferente. O espetáculo é uma reflexão sobre o mito sob o prisma da ”estrangeira“, de alguém que migra de um lugar, de um outro tempo, de outra cultura, alguém que luta pelo direito de ser diferente.
Revisitando Stravinsky
O espetáculo conta a história do encontro e da parceria de uma jovem pianista e compositora brasileira – Jocy de Oliveira – com um dos maiores mestres e compositores que revolucionaram a música do século XX – Igor Stravinsky.

A autora baseou o roteiro em seu diário e na correspondência com Stravinsky e com seu maior intérprete, o regente e escritor Robert Craft.

A música é executada por um grupo de solistas em cena – o Ensemble Jocy de Oliveira – e pela Orquestra Sinfônica Brasileira, regida pelo maestro Michael Stern.
As três óperas foram filmadas por Bernardo Palmeiro.
Ingresso
R$ 8,00 (inteira) e R$4,00 (meia)
Ingressos disponíveis também em www.ingresso.com
Disponibilidade de ingressos sujeita à lotação da sala.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here