Baseado na vida de Bobby Fisher, a trama conta a história de um gênio perturbado que descobriu seu talento na infância. Sem qualquer traço de vida social e afetiva, Bobby dedicou sua vida ao xadrez. Uma vida onde o talento é associado a sacrifício.
 
O roteiro do filme foca apenas no protagonista, todo o resto é coadjuvante, forma como se colocava em cena (seja em vida ou em tela): Vaidoso, egocêntrico, arrogante e excêntrico. As relações à fora não são desenvolvidas, seja com a imprensa, com a família, que só aparece quando extremamente necessário. São fragmentos cruciais e decisivos de sua vida.
 
A direção de Edward Zwick (“Diamante de Sangue”, “O último Samurai”) conduz um suspense no meio de uma biografia conturbada.  A trilha sonora pontua bem os momentos tensos, a fotografia cinzenta em determinados pontos complementam o ritmo e a montagem cheia de sobressaltos criando um ambiente clautrofóbico para o protagonista. Assim, transitando entre os gêneros, porém como biografia, o diretor se coloca em modo obsessivo, exaltando a doença de Bobby.
 
Filme bem ambientado, com uma boa direção de arte que cumpre bem a sua função. 
 
Destaque para Tobey Maguire que surpreende em cena. Um ator versátil que nos presenteia com uma ótima atuação!
 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here