curumimDocumentário conta a história de Marcos “Curumim” Archer, fuzilado na Indonésia em Janeiro de 2015, após ficar preso durante 12 anos em um presídio de segurança máxima.

A vida de Marco “Curumim” Archer mudou drasticamente quando os 13,5 quilos de cocaína escondidos em sua asa delta são descobertos pela polícia do Aeroporto Internacional de Jacarta, na Indonésia. Ele faz uma fuga espetacular e sai pela porta da frente do aeroporto, ludibriando a polícia local. Depois de se esconder por 16 dias pelas ilhas paradisíacas da Indonésia, Marco é preso e condenado à morte. Doze anos depois, no dia 17 de janeiro de 2015, se tornou o primeiro brasileiro a ser executado por tráfico de drogas no mundo.

Quatro anos depois da sua prisão, “Curumim” procurou o produtor de “Tropa de Elite”, o diretor Marcos Prado, para que ele fizesse um filme com sua história. A intenção de “Curumim” era evitar que os jovens cometessem o mesmo erro que o seu.

Foi com 12 anos que usou seu primeiro baseado e logo teve sua primeira bad trip, em uma viagem à Saquarema. Curumim viveu durante 15 anos pelo mundo, morou em diversos lugares diferentes, sempre se sustentando pelo tráfego.

Através de depoimentos, imagens de arquivo e uma câmera escondida dentro de seu “quarto”, é possível ver que mesmo dentro de um presidio, sua personalidade não mudou, Curumim continuou sendo a pessoa pura e engraçada que sempre foi. Por mais que vivesse num mundo fantasioso, um verdadeiro paraíso artificial em sua cabeça, Curumim sempre acreditou que sairia de lá.

Foram três anos de trabalho, mais de 70 horas de conversas gravadas ao telefone, dezenas de cartas e mais de três horas de arquivos com imagens, registradas por ele mesmo com uma câmera escondida, de seu cotidiano de dentro do presídio de segurança máxima.

O documentário aborda muitas questões que podem ser debatidas com profundidade como justiça, tortura, corrupção e pena de morte. Curumim e Rodrigo Goularte (o outro brasileiro, condenado à pena de morte por tráfico de drogas) passaram 12 anos num presídio de segurança máxima, no corredor da morte, sem saber quando seriam executados. Rodrigo não aguentou a pressão psicológica e acabou sendo diagnosticado com esquizofrenia. A Indonésia é signatária de um tratado da ONU que não permite executarem pessoas com distúrbios mentais. Rodrigo foi fuzilado independente de seu estado mental.

A biografia de Marco Acher e os longos anos no corredor da morte são retratados através de um olhar sensível e cuidadoso de Marcos Prado. A montagem utiliza da confusão mental da droga e transmite uma obra transgressora sobre um homem perdido em seu tempo.

“Curumim” oferece uma jornada íntima pela vida de um homem transgressor, carismático e irreverente, que escolheu viver intensamente a ilusão de que para ser amado pelos amigos e aceito pela sociedade, teria as drogas como sua maior moeda de troca. Sem ter nunca pego numa arma ou coagido ninguém, morreu fuzilado sem ter uma segunda chance.

O documentário recebeu menção honrosa de direção de documentário no Festival do Rio 2016, e participou da 40ª Mostra Internacional de Cinema São Paulo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here