Sucesso de público e crítica, o sensível espetáculo “NEFELIBATO”, escrito por Regiana Antonini e encenado por Luiz Machado retorna em cartaz para uma curtíssima temporada na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, a partir do dia 4 de agosto. Com direção de Fernando Philbert e supervisão de Amir Haddad, a peça foi montanda em 2016 para comemorar os 20 anos de carreira do ator.

– Eu estava buscando um texto novo, daí a Regianna me deu esse presente. Foi um grande encontro de profissionais e é uma alegria retornar ao Rio de Janeiro depois deu um ano – conta Luiz Machado.

Era o ano de 1990, e o país voltava a ter um governo eleito democraticamente. A inflação galopante exigia medidas drásticas. A saída da nova equipe econômica foi confiscar parte da caderneta de poupança da população. Tal medida levou milhares de brasileiros ao desespero e à bancarrota. Muitos enlouqueceram. Esse é o caso de Anderson, que amargou outras perdas em sua vida: seu negócio (uma agência de viagens), um ente querido e um grande amor. Isso tudo leva-o a perambular pelas ruas. Esse andarilho é a figura central de Nefelibato.

O quanto de loucura é necessário para o ser humano não perder a própria vida? Essa pergunta perseguiu o diretor Fernando Philbert ao longo do processo da montagem.

– Quis tratar do instinto de sobrevivência que o ser humano tem e que ele esquece que tem”, salienta o diretor antes de chamar a atenção para um certo grau de consciência que o personagem tem de sua condição: “Para anão se matar ou matar alguém ele vai para a rua. Viver na rua é o caminho que ele encontrou para continuar vivo – diz o diretor.

Anderson é alguém que vive situações limite. Um equilibrista no fio tênue entre lucidez e loucura, vida e poesia.

SERVIÇO:
NEFELIBATO
Local: Cidade das Artes – Sala Eletroacústica (Avenida das Américas, 5300)
Temporada: Sábado às 20 e Domingo às 19h.
Ingressos: R$ 40,00 / R$ 20,00
Duração: 60 minutos
Classificação: 14 anos. (indicado para crianças a partir de 2 anos)
Gênero: Drama.
Capacidade: 120 lugares.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here