Artista genial, que não teve reconhecimento em vida e passou 30 anos reclusa em hospitais psiquiátricos, a francesa Camille Claudel é homenageada em novo espetáculo, que faz um paralelo de sua trajetória de abuso emocional com as lutas feministas da sociedade contemporânea.

A pesquisa para Camille Claudel – Uma mulher partiu de cartas da artista aos familiares e laudos encontrados por sua sobrinha-neta, Reine-Marie Paris, no Centro Hospitalar de Montfavet, atestando que Camille estava apta a voltar para casa e retomar o convívio com a sociedade. Esses laudos ficaram escondidos a pedido da família Claudel e ela continuou internada até a sua morte, que completa 75 anos neste mês de outubro. A partir da revelação, a dramaturgia faz um resgate da vida e da carreira da artista, que é considerada pelos críticos de arte e escritores como um gênio da escultura, mas, até hoje, é mais associada pelo relacionamento que teve com o também escultor Auguste Rodin do que à sua importante produção.

“Com este espetáculo, quero falar da luta da mulher por seus direitos. Sou fascinada pela história de Camille Claudel, que era uma artista genial, e, por escolher uma profissão considerada para homens na época, foi calada pela sociedade e por familiares, e castigada com um laudo de louca e perigosa”, descreve Sandra Calaça. “É um tema muito pertinente em momento importante de luta por direitos e conquistas que as mulheres buscam há muitos séculos”, acrescenta.

Em cena, ao lado de Sandra Calaça, estará sua filha de 5 anos, Clara Melo, que, desde muito pequena, demostrou amor e talento artístico. A ideia também é fazer um contraponto da relação de Camille Claudel com sua mãe, que sempre se opôs ao trabalho da artista.

“Falar sobre a artista Camille Claudel é garantir o direito dado à minha filha em viver como melhor desejar, é poder lutar por muitas mulheres, artistas, visionários, seres humanos que não têm e não tiveram voz, ou que tiveram suas vozes caladas por ameaçar um sistema, uma sociedade ou apenas o grupo familiar”, defende Sandra.

Serviço:
Camille Claudel – Uma mulher
Temporada: 12 de outubro a 4 de novembro.
Casa de Cultura Laura Alvim / Espaço Rogério Cardoso: Avenida Vieira Souto, 176 – Ipanema
Dias e horários: Sexta e sábado, às 19h, e domingo, às 18h. O público deverá chegar 20 minutos antes, pois será servido um caldo antes de cada sessão.
Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia).
Lotação: 53 pessoas
Duração: 1h10
Classificação indicativa: Livre
Funcionamento da bilheteria: Diariamente, das 15h às 21h.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here