Diretora comentou em um  bate papo descontraído, no café do cinema Estação como a experiência de atriz ajudou neste filme, seu estilo na direção e o fato de ser uma co-produção entre quatro países.

Atualmente as relações amorosas encontram-se muito voláteis. O que acha desses amores líquidos em relação a seu filme, La Cama?
Mónica Lairana – Há várias relações que vejo no filme. Uma fundamental, foi que já vivi uma experiência assim (de divórcio), e para mim foi muito forte emocionalmente passar por ela. A partir disto refleti um pouco sobre a maneira que temos de viver as relações humanas, com uma leviandade, como se não nós déssemos conta da importância de construir um vínculo com o tempo, deixar que amadureça, deixar-nos, digamos, ser mais permeáveis a modificações que surgem com o tempo. Uma pessoa cresce, modifica seus interesses, seus gostos. Então, na relação com o seu par, uma pessoa tem que desenvolver uma capacidade de adaptar-se continuamente. Isso é algo que não estamos vivenciando dessa maneira hoje em dia, para mim.

 Para mim há muita beleza e humanidade em realmente fazer esse esforço. Não o esforço como algo ruim, mas sim o esforço lindo de construir uma relação com alguém. O filme também questiona em que lugar chegamos com a sexualidade e o sexo dentro de um casal, porque também é algo que eu me pergunto e não tenho a resposta. Eu me pergunto, na escala de valores, em que lugar coloco o sexo e me pergunto também se com o passar do tempo isso vai seguir sempre assim ou se vai modificar-se.

A verdade é que eu não tenho certeza, não tenho resposta certa para isso, tenho perguntas e o filme eu gosto de pensa-lo como a possibilidade que, a partir de vê-la, as pessoas se façam essas mesmas perguntas. Porque se tenho um desejo, é que a partir desse filme, uma pessoa se questione mais, se está fazendo tudo que pode em suas relações humanas, que não são somente casais, são muitas vezes as amizades também. Temos tudo muito volátil, tudo passa muito veloz, ninguém tem tempo de parar. Isso também se relaciona com a exceção de contar essa história de maneira tão tranquila, tão pausada, onde uma pessoa tem tempo de observar, de ver de verdade. Isso também te a ver com isso, porque eu sinto que como sociedade nos perdemos esse espaço de ver de verdade o outro, estamos sempre ocupado entre celulares, coisas, tarefas, então isso também, essa critica eu sinto, como estamos vivendo hoje, também te a ver com a exceção do filme de apagar esse lado e oferecer ao expectador a possibilidade de observar pausadamente, por um tempo muito longo, a dois seres humanos, a duas pessoas.

  Você tem um carreira extensa como atriz. Como essa experiência de atriz lhe ajudou neste filme?
Mónica Lairana – Bem, me ajudou de muitas maneiras. Em primeiro lugar, porque eu não estudei cinema como diretora, o pouco que sei, aprendi no set observando os diretores com quem trabalhei, e que  eram muitos diferentes em seus estilos. Depois a escola que vim, a atuação, de como construir um filme e de como fazer cinema, o que fundamentalmente me ajudou na comunicação com os atores e compartilhar a mesma linguagem.  É como falar na mesma língua para sentar e pensar nos personagens, nas cenas, poder falar com eles das atuações, do ritmo, de atuações que não foram estridentes. Creio que agrega ao trabalho essa relação de cumplicidade, da intimidade e confiança. Também foi graças a eu compreender profundamente o deveria fazer para certos personagens.

 Você é uma diretora muito nova em experiência, mas já acredita ter encontrado seu estilo, ou ainda está em busca dele?
Mónica Lairana – No momento tenho construído com uma estética que sinto de alguma maneira que este filme representa ainda fazer parte de um caminho para defini-lo.

Eu tenho três curtas-metragem, que são Rosa, Maria e Emília, sobre três mulheres, onde experimentei um cinema, que gosto de dizer, ser um cinema de retrato. Retratar uma pessoa com essa calma, utilizando formas cinematográficas que se parecem com documentários de observação onde os diálogos não são cotidianos, onde a câmera espia os personagens, a ponho em um lugar e deixo o resto à envolver.

Isso foi um caminho que escolhi e sinto que nesse filme me aprofundei mais, podendo dizer que me identifico com essa forma, que eu gosto, que seria mais fácil de levar, é com um filme seria um risco muito grande, pois o público exige isso dos filmes, outro ritmo, outros jeito. Eu precisava não me desviar desse caminho, aprofunda-lo para experimenta-lo, estou contente com isso. Então sinto que agora estou bem com o estilo que me sinto ser próprio, o ritmo calmo e câmera firme, os planos largos, observar os personagens em histórias humanas. Histórias onde não se espera que se resolva um conflito, mas simpatizar humanamente com os personagens. Para o futuro, não sei… Algo como cinema de ação (aponta para o cartaz de Vingadores: Ultimato).

Como tem sido a recepção do seu filme?
Mónica Lairana – Muito boa. Tem sido exibido para os mais distintos públicos, na Alemanha, Índia… e sempre foi muito boa, muito humana. Me encontrei muitas vezes com pessoas me esperando na saída para contar intimidades, de como ficaram emocionados. E uma coisa me chamou atenção, foi como as mulheres me agradecem por mostrar o corpo delas com beleza, reivindicando o corpo de uma mulher adulta. Várias coisas me aconteceram, mas a que mais me emocionou foi de uma senhora que… “Onde foi? Que país foi? Bem, agora não consigo me lembrar, mas era que ela se sentia bem, porque nos filmes da TV ela se sentia mal, pois não era o corpo que tinha”. Ela se sentiu bem por ser representada, porque ama seu corpo, como ele é.

O filme é um coprodução com quatro países diferentes, e culturas muito diferentes. Isso influenciou o filme de alguma forma?
Mónica Lairana – Não, na verdade não, porque que o tema do filme é universal. Eu tinha medo quando o apresentamos na Índia porque,não sei, é um pré-juízo de ser uma cultura tão distinta, porém descobri que tinha a ver com amor, com as relações humanas que atravessam as fronteiras no filme. Eu tinha esses medos, e creio que o filme é essencial no que conta.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here