Uma das atrizes mais marcantes da teledramaturgia e do cinema brasileiro, Vera Fischer será a homenageada nacional da 26ª edição do Festival de Cinema de Vitória, que acontece de 24 a 29 de setembro, no Centro Cultural Sesc Glória, no Centro de Vitória.

Com um extenso currículo, que inclui 22 filmes, 23 novelas e mais de 10 séries e programas especiais de TV, além de 12 peças para o teatro, a atriz receberá o troféu Vitória e os aplausos do público no dia 26 de setembro. No mesmo dia, às 15h, acontecerá o lançamento do caderno da homenageada, no Hotel Senac Ilha do Boi. A publicação exclusiva será assinada pelo jornalista e escritor Jace Teodoro.

Sua primeira incursão no universo audiovisual foi no cinema nacional, mas a sua estreia nas telenovelas, como Diana Queiroz (Débora) em “Espelho Mágico”, de 1977, elevou seu status para atriz de grandes produções televisivas, que permanecem na mente de muitos brasileiros, como “Sinal de Alerta” (1978), “Os gigantes” (1979), “Coração Alado” (1980) e “Brilhante” (1981).

Um dos papéis mais memoráveis da atriz é o de Jocasta Silveira, de “Mandala” (1987), que elevou ainda mais o seu status de diva televisiva, valendo a indicação para o Troféu Imprensa de melhor atriz no mesmo ano. Antes disso, ela já havia sido contemplada como melhor atriz pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) pelo papel de Tânia Velasco, no filme “Intimidade” (1975); e pelo Festival de Brasília, ganhando o Troféu Candango de melhor atriz por interpretar Anna, em “Amor Estranho Amor”, produção de 1982. Em 2000, venceu como melhor atriz no prêmio ‘Melhores do Ano’, pelo papel de Helena Lacerda Soriano, na novela “Laços de Família”.

Sua presença em novelas é sempre motivo de boa audiência, por conta dos fãs e admiradores de seu trabalho. Vera Fischer ainda reina nas produções televisivas, como na elogiada série “Assédio”, de 2018, transmitida na TV Globo e também disponível na Globo Play. Além disso, a atriz interpretou Ana Tanquerey, personagem da novela “Malhação: Vidas Brasileiras”, e encarou o desafio de viver três personagens em “Espelho da Vida”, separadas pelo tempo: Carmo, uma diva do cinema; Gertrude, personagem do passado; e Hildegard, personagem do filme retratado na trama. No teatro, a atriz está escalada para estrelar, ainda em 2019, a peça “Quando eu for mãe quero amar desse jeito”, de Eduardo Bakr e Tadeu Aguiar.

O 26º Festival de Cinema de Vitória tem o patrocínio do Ministério da Cidadania, através da Lei de Incentivo à Cultura, da ArcelorMittal, do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA e da Ancine com o apoio da Rede Gazeta e da Prefeitura Municipal de Vitória. O Festival conta também com o apoio institucional do Centro Técnico do Audiovisual – CTAv. A realização é da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here