A Editora Geração lança  “Luiza Mahin”, romance que conta a luta e os amores da principal heroína negra da história do Brasil. A obra, escrita por Armando Avena, tem como pano de fundo a Revolta dos Malês, a maior rebelião urbana de escravos no Brasil.

Em janeiro de 1835, aproximadamente mil homens e mulheres, armados e com vestes brancas, tomaram a cidade de Salvador com o objetivo de libertar os escravos e criar um Estado Islâmico. Esses revoltosos eram escravos negros muçulmanos alfabetizados, que se uniram a negros animistas (não-muçulmanos) para assim tomar o poder. A revolta foi planejada em todos os detalhes e até um banco foi criado para financiar as ações.

A narrativa acompanha o movimento dos negros muçulmanos e entrelaça a revolta com a biografia e os amores da líder, Luiza Mahin que, em meio a seus romances, se relacionou com um fidalgo português, que derivou no nascimento de seu filho Luiz Gama, o primeiro poeta negro brasileiro.

No romance, Luiza Mahin tem ascendência entre os negros, mas é uma mulher livre, uma negra liberta, dona de seus amores. Ela foi amante de Ahuna, líder da revolta muçulmana e do procurador da cidade, o branco Angelo Ferraz.

Figura venerada até hoje pelos baianos, considerada um dos símbolos da luta feminina contra a escravidão, a existência de Luiza Mahin ainda provoca debates no âmbito da historiografia oficial, mas no romance de Avena a protagonista é o principal elo de ligação de diversos personagens recorrentes da tradição oral da Bahia que terão suas histórias expostas. Em consequência ao período histórico, a obra retrata aspectos do cotidiano da maior cidade negra do Brasil na época escravista, e a relação de miscigenação imposta entre os Senhores de Engenho e mulheres negras escravizadas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here