Relembre cenas memoráveis do cinema!

Abraçar nunca fez tanta falta! O Dia do Abraço é comemorado anualmente em 22 de maio. Aliás, tudo começou quando o australiano Juan Mann criou a campanha “Free Hugs Campaign“, em 2004. O objetivo era oferecer às pessoas que passavam em Pitt Street Mall, uma rua famosa de Sydney, com a finalidade de influenciá-las a reproduzir esse gesto de carinho.

A campanha ficou famosa quando Juan ofereceu um abraço ao líder da banda Sick Puppies, que o chamou para gravar um videoclipe com o grupo. Depois, a iniciativa se popularizou e começou a ser realizada em outros países. Mas, o mais importante mesmo, é saber o quanto é importante esse gesto, afinal um abraço pode mudar tudo! Então, não deixe de abraçar o próximo, virtualmente!

A gente já começa com a emocionante cena de E.T. – O Extraterrestre, filme de Steven Spielberg, que mostra o garotinho despedindo-se do seu amigo de outro planeta. O filme de ficção científica lançado em 1982, faz sucesso até hoje.

E.T. – O Extraterrestre conquistou o público, consagrando definitivamente Steven Spielberg, na indústria cinematográfica. O filme teve a maior arrecadação da história do cinema até então e rendeu novas indicações de Spielberg ao Oscar, incluindo melhor diretor e filme. Impossível, não amar!

A franquia Harry Potter levou muita gente ao cinema, com direito a muitas cenas memoráveis, mas foi no final do último filme da série, Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte II, que Hermione Granger abraça seu melhor amigo, Harry Potter, sabendo que ele deve morrer para que o vilão Lord Voldemort possa ser morto. Momento de quebrar o coração!

O drama fantástico de Tim Burton foi inspirado nos contos de fadas para criar uma fábula particular que se relacionasse com sua estranha e fantástica personalidade. Sucesso da sessão da tarde nos anos 90, tem uma cena de cortar o coração. Nos últimos 10 minutos de Edward, mãos de tesoura, de Tim Burton, Kim (Winona Ryder) pede para ser abraçada por Edward (Johnny Depp), que responde: “Eu não posso.” A mocinha, ainda assim, insiste em abraçar seu amado.

A animação Monstros S.A. é amada até hoje por seus ensinamentos. A proposta do filme é, por si só, encantadora. Os monstros trabalham em uma fábrica e visitam os quartos das crianças para assustá-las, já que os gritos delas servem como energia no mundo em que vivem. O grande pulo do gato é que os monstros temem as crianças, por considerá-las tóxicas. É neste momento que entra uma das personagens mais geniais já criadas pela Pixar: Boo que rouba a cena no filme todo! – Depois de correr para achar a porta do quarto de Bu e devolvê-la para seu planeta, o monstro Sulley se despede com tristeza da sua amiga humana – .

A animação Divertidamente vencedora do Oscar, diz muito sobre a forma como lidamos com os sentimentos. Riquíssima em detalhes, traz metáforas e conceitos psicológico-filosóficos em sua paleta de cores.  Impossível não se apaixonar pelo mundo criado pelo diretor e roteirista Peter Docter. A cena em que Riley volta para a casa é recebida com um abraço bem apertado de seus pais. Que sensação de aconchego, hein!

Cidade dos Anjos, adaptação norte-americana do filme alemão Asas do Desejo, de 1987, estreou em 10 de abril de 1998 nos Estados Unidos e arrecadou quase US$ 200 milhões ao redor do mundo. No Brasil, o filme demorou dois meses parar estrear. Aliás, Johnny Depp no papel de Seth, interpretado por Nicolas Cage. Mas o que a gente quer lembrar mesmo é quando anjo Seth (Nicolas Cage) e a humana Maggie (Meg Ryan) se abraçam.

A essência do romance entre Jack Dawson e Rose DeWitt Bukater nada mais é do que uma versão moderna do amor proibido entre Romeu e Julieta. Leonardo DiCaprio e Kate Winslet são peças fundamentais nesta engrenagem, ambos com desempenhos que já indicavam os atores que se tornariam. O filme do cineasta James Cameron, Titanic, tem uma das cenas mais icônicas do cinema!  Jack e Rosie se abraçam enquanto vão ao andar mais alto do navio para viver muitas aventuras.

Em 12 anos de Escravidão, Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor) consegue finalmente voltar para casa. Antes de deixar a fazenda que serviu por anos como escravo, mesmo sendo um homem livre, o abraço que dá em Patsey (Lupita Nyong’o, ganhadora do Oscar 2014 por melhor atriz coadjuvante) é de doer na alma.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here