Confira a programação da semana do Teatro #EmCasaComSesc.

O Sesc São Paulo promove a série Teatro #EmCasaComSesc, com a transmissão de diferentes trabalhos cênicos, direto da casa dos artistas, sempre às segundas, quartas, sextas e domingos, às 21h30, pelo YouTube e Instagram.

Foto: Lucinha Lins

Iniciando a semana, na segunda, o ator Claudio Tovar encena “Diário de um Louco”, inspirado em conto homônimo de Nikolai Gogol (1809-1852). No enredo, a partir da narração de fatos escritos em seu diário, um funcionário público, desesperado de paixão pela filha do seu chefe, enlouquece pela rejeição amorosa e revive os últimos acontecimentos de sua vida antes de ser levado para o hospício.

A versão da peça para o Teatro #EmCasaComSesc conta ainda com o apoio técnico e filmagem de Lucinha Lins, que fará a captação diretamente da residência do casal. A classificação indicativa é para maiores de 14 anos.

Inspirado pela pesquisa com construtores e tocadores de rabeca, instrumento de arco e cordas parecido com o violino e presente em muitas manifestações da cultura popular brasileira, o ator Eduardo Okamoto criou “Eldorado”, espetáculo pelo qual foi indicado ao Prêmio Shell de Melhor Ator em 2009, e será apresentado na quarta-feira (26/8).

Na história, um cego busca encontrar o que nenhum homem pôde: Eldorado. Com classificação indicativa de 12 anos, a peça tem dramaturgia de Santiago Serrano e direção e iluminação de Marcelo Lazzaratto. O espetáculo já percorreu várias cidades brasileiras e foi apresentado na Espanha.

Na sexta-feira, (28/8), Leona Cavalli apresenta o solo “Elogio da Loucura”, baseado em livro homônimo de Erasmo de Rotterdam (1466-1536), humanista e teólogo que viveu na Idade Média.

A obra é uma sátira à sociedade dos séculos XV e XVI, retratando males que ainda são identificados atualmente, como a hipocrisia e a perda dos valores da vida. Em sua versão para o teatro, a autora Thelma Guedes mantém o discurso sobre a loucura através da ótica da obra, que acaba sendo um reflexo da sociedade de todas as épocas. O espetáculo tem direção de Eduardo Figueiredo e classificação 14 anos.

Foto: Tati Motta

Por fim, os atores Leonardo Rocha e Mariana Arruda, do Grupo Maria Cutia, fazem uma releitura para tempos de isolamento social do “Auto da Compadecida”, clássico de Ariano Suassuna (1927-2014), dirigido por Gabriel Villela e apresentado no domingo (30/8).

A peça narra as aventuras picarescas de João Grilo e Chicó, que começam com o enterro e o testamento do cachorro do padeiro e de sua mulher e acabam em uma epopeia milagrosa no sertão, envolvendo o clero, o cangaço, Jesus, Maria e o Diabo.

O diretor Gabriel Villela, reconhecido pelo estilo barroco de seus espetáculos, faz nesta adaptação uma analogia estética entre a cor dos figurinos e a cor da lama do rompimento das barragens de mineradoras em Minas Gerais. Esse traço contemporâneo é uma característica presente em todo o espetáculo. A classificação é livre.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here