Fechado ao público há um ano por conta da pandemia em curso, o Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, segue atuando em formato remoto e definiu seu Plano Anual para 2021, implementando um conjunto de ações que contemplam temas como preservação de acervo, exposição, publicações, seminário e outras novidades – a introdução do uso de tecnologia QR code em alguns espaços expositivos é uma delas.

Com abertura prevista para o mês de outubro, a exposição “Terra à vista e pé na Lua” marca o início das comemorações dos 100 anos do Museu Histórico Nacional, a ser celebrado no próximo ano, propondo uma aventura humana rumo ao desconhecido, tendo como vértice o olhar visionário do artista Ziraldo – que completará 90 anos em outubro de 2022.

Já as ações de preservação do acervo abrangem três áreas do MHN e englobam contemplam conservação e captação de imagens de peças etnográficas da coleção de indumentária Sophia Jobim (Reserva Técnica); material de consumo para acondicionamento de acervo museológico (Numismática) e ainda tratamento e digitalização de coleção de fotografias do século XIX (Arquivo Histórico).

A sonorização da exposição “Do móvel ao automóvel”, o lançamento de um livro sobre o Pátio dos Canhões, além dos códigos de ética do MHN e AAMHN fazem também parte do Plano Anual 2021. Devido à pandemia, as ações presenciais previstas poderão ser revistas de acordo com os protocolos de segurança do museu.

“Mesmo considerando as dificuldades relacionadas com a pandemia que seguimos enfrentando, o MHN tem buscado desenvolver projetos que valorizem, ainda mais, o seu acervo, ao atender públicos tão diversos”, explica Vânia Bonellli, Diretora Interina.

“Para o Instituto Cultural Vale, a salvaguarda de bens materiais e imateriais é a base para o reconhecimento de nossas identidades enquanto brasileiros e um caminho para ampliar a nossa visão de mundo. O Museu Histórico Nacional é um dos mais importantes museus do Brasil e, apesar das restrições da pandemia, cuida de seu precioso acervo e se moderniza para começar um novo capítulo em sua história”, afirma Christiana Saldanha, Gerente do Instituto Cultural Vale.

AÇÕES PREVISTAS

Preservação de acervo cultural

Arquivo Histórico
O tratamento e digitalização de fotografias do século XIX, sob guarda do Arquivo Histórico do MHN, serão realizados para protegê-las da manipulação excessiva e ampliar seu acesso digital. Este conjunto, composto por 82 fotografias, conta com daguerreótipos, ambrótipos, ferrótipos, fotografias sobre metal, vidro e porcelana, além de estereoscopias. As peças possuem grande relevância histórica pois algumas, a exemplo dos daguerreótipos, são exemplares dos primeiros processos fotográficos de que se tem notícia. Ainda neste conjunto, encontram-se fotografias do século XX – as estereoscopias –, que documentam mais uma etapa desta grande invenção que foi a fotografia. Os documentos foram tratados pela última vez na década de 1980.

Numismática

As ações para aquisição de material de consumo e permanente aprimoram a qualidade das atividades de acondicionamento do acervo museológico do MHN. Neste primeiro momento, o acervo beneficiado será o de Numismática, onde estão preservados itens como moedas, medalhas, condecorações e valores impressos. Com mais de 150 mil itens, a coleção é considerada uma das mais relevantes da América do Sul.

Reserva Técnica

A conservação e captação de imagens de peças etnográficas da coleção de indumentária Sophia Jobim, sob guarda da Reserva Técnica do MHN, é um dos destaques do Plano Anual 2021. A conservação de têxteis envolve uma série de ações que visam aumentar a resistência aos agentes físicos, químicos e biológicos que agem continuamente sobre as peças. Sophia Jobim (1904-1968) foi professora, figurinista, museóloga, indumentarista e colecionadora. Após sua morte, a família doou ao Museu Histórico Nacional todo o seu legado, adquirido ao longo de 30 anos, formando então a coleção composta por peças de indumentária, desenhos, fotografias, livros, manuscritos e impressos.

Livro bilíngue “Pátio Epitácio Pessoa: entre pedras, canhões e arcadas”
O Pátio Epitácio Pessoa, mais conhecido como Pátio dos Canhões, é um importante espaço do Museu Histórico Nacional para se pensar sobre a instituição, marcada por diferentes práticas patrimoniais e discursos sobre o passado. O livro, com linguagem acessível e ricamente ilustrado, é destinado ao público em geral e poderá também ser utilizado no meio acadêmico, por conter informações acuradas sobre a história e os itens museológicos presentes no Pátio dos Canhões. Com tiragem de dois mil exemplares, além de versão digital, o livro ganhará ainda uma versão acessível em áudio, além de disponibilizar via tecnologia QR code informações sobre os elementos em exposição no pátio.

Exposição “Terra à vista e pé na Lua”
Exposição comemorativa do centenário do Museu Histórico Nacional, “Terra à vista e pé na Lua” tem como foco principal a aventura humana rumo ao desconhecido. Pelo olhar visionário de Ziraldo – artista atemporal cuja produção se faz presente no imaginário de brasileiros e brasileiras de todas as idades – o visitante “navegará”, passando por obras do acervo do artista que se unem conceitualmente às coleções do museu. Com códigos QR espalhados pela cenografia, a trajetória de Ziraldo, seus livros, seus personagens ou mesmo seus objetos de trabalho contarão, de forma lúdica, a história de um Brasil construído diariamente por todos nós.
Sonorização da exposição “Do móvel ao automóvel”

A ação de sonorização da exposição de longa duração “Do móvel ao automóvel” busca, através dos recursos de áudio, complementar e harmonizar o ambiente expositivo com uma trilha musical da época, proposta por uma curadoria especializada. “Do móvel ao automóvel” é uma exposição composta por meios de transporte terrestres, de tração humana e animal, que deram origem a uma das mais importantes coleções do gênero no Brasil.
A coleção é formada por veículos “particulares”, utilizados no transporte de pessoas, principalmente na cidade do Rio de Janeiro. Em 1925, integrou-se ao acervo do MHN um dos primeiros automóveis a circularem na primeira década do século XX, também na então capital da República.

Seminário Internacional do MHN

O seminário, que acontece há cerca de 20 anos para comemorar o aniversário do museu, seguirá dentro da temática Museus, Memória e Patrimônio e está programado para acontecer em formato virtual, aos moldes do ano passado, no perfil do MHN na plataforma YouTube.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here