Com transmissões digitais gratuitas pela Sympla Streaming, até o dia 11 de Julho às 21h o espetáculo “Monstro”, da Cia. Artera de Teatro, realiza curta-temporada no Teatro Sérgio Cardoso Digital.

Dirigido por Davi Reis e interpretado por Ricardo Corrêa, que também assina a dramaturgia, a peça conta a história de Léo, professor de natação de uma escola infantil que decide se candidatar a adotar uma criança. Tudo vai bem até acontecer uma situação na qual um de seus alunos de sete anos o chama de gay. Este professor, então, resolve falar abertamente sobre o que é ser gay, encorajando uma cultura de aceitação e inclusão entre os seus alunos.

O olhar social transforma este homem em um ser monstruoso, não recomendado à sociedade. A partir do desejo de adoção, a peça faz um retrato sobre um homem que vai perdendo seus poucos direitos. Poderia ser a história de um homem que teve uma lâmpada estourada em seu rosto na Avenida Paulista, a de uma travesti que teve o seu coração arrancado ou a de um jovem morto e queimado por sua própria mãe. Mas é, sobretudo, a história de Léo.

” “Monstro” vem sendo gestado desde 2018, criado, certamente, por uma forte sensação de medo ao final da eleição presidencial. Entendemos que vivemos em uma época de monstros sociais e, juntos, decidimos explorar neste projeto a monstruosidade na condição de discurso estético e político na identidade queer. Assim, aquilo que chamamos de monstro é uma espécie de caso limítrofe, uma forma marginalizada, um caso de abjeção. A figura do monstro é rechaçada através de diversas práticas, como transfobia, homofobia, sexismo e misoginia”, reforça o dramaturgo Ricardo Corrêa.

“E se perdêssemos nossos direitos? O que seria família no contexto contemporâneo? O que define as funções sociais de pai e mãe nos múltiplos arranjos familiares da atualidade? Vivemos uma reconstrução de paradigmas a fim de incluir socialmente a família homoafetiva. E estas novas famílias plurais vêm cada vez mais buscando a legitimação dos seus direitos. Porém, devido à forte implicação política e religiosa envolvida na atualidade, esta comunidade é marcada e perseguida por uma onda conservadora de violência e discriminações, afinal estamos em um país que mais mata LGBTQIA+ no mundo”, diz o diretor Davi Reis.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here