CAIPIROTO
Foto: Julio Ricardo

Escrito e dirigido por Rodrigo França, “Capiroto” busca “desdemonizar” as divindades das sociedades e/ou grupos não cristãos através da tolerância e do respeito entre as diferenças religiosas e humanas e, certamente, assim, contribuir para a construção de um mundo com mais equidade social.

A história da civilização humana é permeada de perseguições de cunho religioso, com suas máximas expressões de intolerância em nome de Alá, Jesus, Maomé…Deus. Inveja, ódio, mortes, injúrias, calúnias, perseguições e torturas são algumas das palavras que passaram a ser usadas no lugar de tolerância, amor e respeito na construção mútua da civilidade humana. Por trás desse contexto, temos a figura do Demônio que, determinadas culturas religiosas, para angariar adeptos, demonizam divindades de determinadas sociedades e/ou grupos com a existência de algo perverso.

 “”Capiroto” explicita as apropriações religiosas ao longo do tempo que determinava que alguns deuses eram personificações do mal. Aliás, algumas sociedades foram destruídas por essa estrutura dominadora. Não falamos sobre religião. Falamos sobre o homem que mata, exclui, escraviza, gera miséria em nome da sua fé, dinheiro e poder”, explica Rodrigo França, autor da peça.

Ao falarmos sobre o século XXI, muitos, logo apontam essa como a Era da tecnologia, da razão e da ampla circulação do conhecimento. Sob tal quadro, fica difícil imaginar que a figura mítica do demônio tenha espaço na explicação do mundo ou no próprio imaginário das pessoas.

De fato, desde que o mundo é mundo, pode-se observar que as culturas ocidentais e orientais elaboram formas de explicar as mazelas que nos afligem. Nesse esforço, a construção de uma figura maligna, acaba assumindo os valores morais e comportamentos de menor prestígio em nossa cultura. Nas religiões cristãs, judaica e islâmica, o mal encarna a figura de um indivíduo que se opõe a Deus e busca atormentar a vida de todos os seguidores de tais religiões.

Atualmente, a descrença no diabo acaba alimentando um interessante debate entre os pensadores da cultura. Para alguns destes, acreditar no diabo é algo fundamental para que a sociedade reforce os seus limites éticos e morais. Desconstruir uma imagem do mal pode levar às pessoas a simplesmente ignorarem os comportamentos hediondos. No fim das contas, acreditar nas forças malignas não deixa de ser uma forma de reforço às qualidades positivas do indivíduo. O desenvolvimento da figura diabólica é fruto das várias dualidades que permeiam o cotidiano do homem. O belo e o feio, a sorte e o azar, o certo e o errado, a vida e a morte compõem jogos em que um lado assume significação positiva e o outro, necessariamente, uma posição completamente negativa. Dessa forma, não se enganem aqueles que acreditam que o universo demoníaco seja somente um traço singular às três religiões anteriormente citadas.

“Precisamos falar sobre essa tendência do ser humano em terceirizar a maldade que faz. Acredito que a humanidade não errou. Quem faz as maiores atrocidades por conta do poder econômico, financeiro e político tem raça, gênero, faixa etária, orientação sexual e classe. Então, “Capiroto” também fala com essa ponta da pirâmide social. De diabo para diabos”, complementa, Rodrigo.

A peça faz temporada de 06 a 15 de agosto, de sexta a domingo, no Teatro Prudencial.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here