Mercado BrancoA Companhia dos Ratos apresenta o espetáculo “Mercado Branco”, uma comédia sobre a cultura do consumo, criada a partir da linguagem gestual com ênfase no trabalho físico e coreográfico, com direção assinada por Fabiano Lodi.

A estreia on-line acontece no Teatro Paulo Eiró, nos dias 17, 18 e 19 de setembro, sexta e sábado, às 21h, e domingo, às 19h. Todas as apresentações ocorrem pelo Facebook , com acesso grátis.

No enredo, diferentes hábitos e condicionamentos sociais da vida moderna se misturam e se repetem, e mesmo quando se transformam parecem perder o sentido em um mundo onde tudo vira mercadoria. Explorando a comicidade física, por meio de técnicas de Biomecânica e Método Suzuki de interpretação, esse espetáculo de humor sem palavras coloca o espectador frente ao efeito perverso do aceitável na sociedade de consumo.

A dramaturgia de “Mercado Branco” é formada por cenas, nas quais o uso de produtos legalmente permitidos, bem como comportamentos e hábitos sociais, adquirem características de mercadorias viciantes e se confundem frequentemente. Aliás, o nome é uma referência ao termo racista “mercado negro”, que impõe uma visão excludente e negativa a produtos e relações comerciais consideradas ilegais, socialmente inadequadas ou que têm consequências moralmente condenáveis.

O espetáculo aborda alguns “mercados brancos” como a publicidade, o armamento civil e a precarização do trabalho, buscando relacionar os efeitos maléficos (geralmente atribuídos aos “mercados negros”) às mercadorias “brancas” da vida moderna em num contexto de aceitação social com discursos sedutores.

Durante os 50 minutos da peça, uma atriz (Ana Leones) e dois atores (Felipe Pinheiro e Rick Salima) interpretam diferentes personagens e situações cômicas. Levantam reflexões sobre o sentido que a vida adquire em um mundo onde se permite a transformação das coisas em mercadorias. Segundo o diretor Fabiano Lodi, “essa dramaturgia sem palavras, que prioriza o movimento e a coreografia, apropria-se dos códigos e tipos sociais para aprofundar o debate e ir além das formas prontas que nos são impostas”.

Oito cenas aleatórias, em ambiente com poucos elementos e objetos cenográficos, dão sentido ao tema da montagem trazendo a discussão da legalidade para coisas viciantes. Quatro delas desenham situações cotidianas pela repetição – como ida ao trabalho, ócio e uso de medicamentos. O humor também aparece com diferentes nuances. A cena da mídia – que traz o apelo e o estímulo à compulsão em comprar e consumir – traz contornos de um humor mais lúdico. Na cena do tabagismo, quando os vícios se confundem com um estilo de vida que se deteriora em si próprio, o humor aparece mais contemplativo, como no teatro físico europeu. O humor aparece de forma mais aberta na cena do restaurante, que performa o equívoco da classificação social quando um garçom negro, feliz em ser garçom, atende um casal branco que não paga a conta. Na cena do armamento o mercado branco é literal assim como o humor: a população estaria mais segura portando armas de fogo? As personagens brigam por um banquinho e ameaçam umas às outras com armas cada vez maiores. Ao final, Mercado Branco traz o cotidiano distorcido, alienado, deprimente, no automatismo.

Ainda em setembro, “Mercado Branco” tem sessões no Teatro João Caetano, nos dias 24, 25 e 26/9. Em outubro, nos teatros Arthur Azevedo, nos dias 01, 02 e 03/10, e Cacilda Becker, nos dias 08, 09 e 10/10, sempre às 21h (sexta e sábado) e às 19h (domingo). A temporada contempla ainda: CEU Pêra Marmelo, CEU Inácio Monteiro, Casa de Cultura Hip Hop Leste e Casa de Cultura da Vila Guilherme – Casarão.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here