Anjo Loiro com Sangue “Anjo Loiro com Sangue no Cabelo” é uma série de suspense criada por Felipe Bragança e com direção geral de Marina Meliande, com o intuito de homenagear a memória do cinema popular brasileiro e às grandes salas de rua.

Uma sala de cinema abandonada e as imagens de uma atriz de pornochanchada misteriosamente desaparecida no final dos anos 80, esse é o mundo de memórias com um toque de suspense, de Sônia Lins, em “Anjo Loiro com Sangue no Cabelo”.

Sônia cresceu com a memória de uma mãe que ela pouco conheceu: a famosa atriz de cinema brasileiro dos anos 80, Mariana Clark. Apesar do pouco convívio, ela seguiu seus passos e se tornou atriz de teatro. Sem muito sucesso na carreira, Sônia viu tudo começar a mudar quando seu pai, um velho e esquecido cineasta, morre e ela herda um cinema abandonado no centro do Rio de Janeiro. Ainda no velório, Sônia conhece Rafael Dias (Fernando Eiras), um antigo amigo da família e hoje grande executivo de uma emissora, a TV Tropical.

Rafael a convida para fazer um teste para a telenovela de maior sucesso do canal. Sônia é escolhida para o papel principal, e passa a viver dividida entre os holofotes dos estúdios de TV e as sombras da sala de cinema. Nesse contexto, o mistério do desaparecimento de sua mãe parece despertar em Sônia sensações e imagens que há muito ela gostaria de ter esquecido.

“Minha vontade, como pessoa de cinema, era desenvolver uma pequena homenagem sombria e apaixonada tanto ao cinema brasileiro popular quanto às salas de cinema através de um olhar crítico, divertido e misterioso por dentro do dispositivo das narrativas seriadas e do universo da televisão. Uma forma também de falar do lugar dos filmes como memória física de camadas da história brasileira que vêm sofrendo tentativas de apagamento, de apaziguamento, e de revisões reacionárias”, conta Felipe Bragança.

Felipe ainda conta que, “O gesto da narrativa foi levemente inspirada pelo cinema onírico de David Lynch, pelo olhar livre e crítico de Rogério Sganzerla e pela beleza pueril e complexa das pornochanchadas brasileiras dos anos 70 e 80 , em sua forma de olhar de frente com alguma graça e picardia, as dores vividas sob da ditadura militar”.

A diretora Marina Meliande explica, “As personagens femininas da série lidam com o universo do cinema e da TV questionando o lugar de musas e objetos a serem filmados pelo desejo da câmera. A protagonista Sonia Lins joga com essa imagem para desconstruir a ideia de que uma estrela de TV seria uma boneca frágil sem questionamentos. Assim como a sua mãe, grande estrela da pornochanchada, que vai se revelando uma personagem complexa, politicamente ativa e mordaz em sua forma de olhar o mundo. É uma série sobre mulheres rasgando, de maneira sutil e inteligente, os limites da tela grande e da “TV.

A série estreia dia 19/11 (sexta-feira), às 22h30 no Canal Brasil. “Anjo Loiro com Sangue no Cabelo” ainda conta com Nicole Puzzi, Fernando Eiras, Ciro Sales, Gabriela Lohan e Catarina Wallenstein no elenco.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here