A máquina do tempo
Foto: Renato Mangolin

Para entender o mundo de hoje, um menino resolve usar objetos que tem em seu próprio quarto para construir uma máquina que o permita viajar ao passado em busca de respostas. Eis o ponto de partida de “A máquina do tempo”, peça infantil escrita pelo ator e músico Gui Stutz, com direção de Denise Stutz, volta ao circuito para apenas quatro apresentações.

Sozinho em cena, Gui Stutz narra a história do menino de forma lúdica e entremeada por canções autorais. Nessa aventura pelo tempo, o menino é capturado por um navio pirata, vê diferentes dinossauros, testemunha Santos Dumont voando no 14-Bis, vai trabalhar num circo de 1923 como o “menino do futuro” e passa por muitas cidades e países até voltar ao tempo presente. Seu desejo nessa viagem é observar as florestas, os mares e as cidades para tentar entender como o passado se tornou o presente.

Aliás, a música é um elemento constante nos trabalhos de artes cênicas de Gui Stutz, e não foi diferente na construção da dramaturgia de “A máquina do tempo”. Em cena, ele utiliza guitarra e sintetizador ligados a um equipamento de looping para compor em tempo real a trilha sonora original.

Acostumado a trabalhar com companhias teatrais, Gui já cultivava há tempos a vontade de montar um solo que reunisse música e dramaturgia. Para escrever “A máquina do tempo”, ele se inspirou na própria infância e na paternidade. “Sou filho único. Minha memória da infância tem muito de brincar sozinho e acompanhar as viagens de trabalho dos meus pais. Desenhava muito, criava mundos e histórias na minha cabeça”, recorda. Hoje pai de três filhos com idades entre 2 e 6 anos e agora com um bebê a caminho, Gui se vê rodeado pelo universo da criança. “A minha primeira plateia foram os meus filhos, e foi um sucesso em casa”, diz.

Além disso, o aspecto familiar se estende à direção da peça. Mãe e filho, Denise e Gui já trabalharam juntos em muitas produções, mas é a primeira vez que estão apenas os dois na criação de uma obra. Na bagagem, compartilham experiências que vão desde o teatro de rua popular da Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades até o teatro contemporâneo do espanhol Fernando Renjifo.

SERVIÇO
Dias e horários: 12 e 13 de março (sábado e domingo), às 16h e 18h.
Local: Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto (Rua Humaitá, 163).
Vendas: na bilheteria do teatro e pela Sympla.
Duração: 60 min. Classificação: Livre.
Instagram da peça: @amaquinadotempoteatro

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here