História da ativista Pureza Lopes Loiola, enfim, chega as telas.

Livremente inspirado em fatos reais, Pureza se passa na cidade de Bacabal, a 246 quilômetros de São Luís, no Maranhão. O enredo conta a história de Pureza, uma mãe que sai em busca de seu filho desaparecido após partir para o garimpo na Amazônia. Em sua busca, ela acaba encontrando um sistema de aliciamento e cárcere de trabalhadores rurais.

PurezaDepois de um mês sem notícias do filho caçula, Antônio Abel Lopes Loiola, Pureza decidiu seguir seu rastro, munida apenas de uma bolsa e da roupa do corpo. No caminho ela se emprega numa fazenda, onde testemunha o tratamento brutal de trabalhadores e o desmatamento da floresta, mas consegue escapar e denunciar os fatos às autoridades federais. Sem credibilidade, e lutando contra um sistema forte e perverso, ela retorna à floresta para registrar provas.

 A sua jornada transformaria a mãe angustiada em um símbolo do combate ao trabalho escravo, ao enfrentar fazendeiros e jagunços para salvar o filho do trabalho análogo à escravidão. Assim, Pureza se tornou a ativista pela sua trajetória. Ela se transformou em um ícone na luta contra a exploração e os maus-tratos a trabalhadores. Tendo inclusive papel importante para que o país passasse a reconhecer, em 1995, a existência do trabalho escravo moderno.

Evangélica, Pureza alfabetizou-se aos 40 anos com o objetivo de ler a Bíblia. Quando o filho Abel parou de dar notícias, cerca de um mês depois de seu filho ter partido, a fé ajudou-a na peregrinação em busca do caçula. Assim, de fazenda em fazenda, ela conheceu de perto o drama dos peões.

Esbarrando numa das pontas do iceberg do trabalho em condições análogas às de escravidão no Brasil. Pureza respeita a trajetória dessa mulher e sua dor. A dramatização não é uma traição do sentimento profundo dessa mulher que não foi só mãe do Abel, mas também de muita gente. A partir desse amor pelo filho, ela se envolve em algo maior do que a família e do que a vizinhança. Pureza é força, é símbolo de uma luta, que até hoje infelizmente, ainda acontece nas profundezas do Brasil.

Mais uma vez, Dira Paes transborda talento! A atriz que traz versatilidade em seus personagens, incorpora a dor dessa mãe. O longa explora a sua jornada e como ela se torna uma ativista. A cena final do reencontro com seu filho é pura emoção. É, certamente, impossível não se apegar a dor dessa mulher!

Apoiada pela CPT, fez contatos com o Ministério do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho no Maranhão, no Pará e em Brasília. Além disso, escreveu cartas de próprio punho para três presidentes da República: Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso (o único a responder foi Itamar).

Com uma história de vida forte, Pureza Lopes Loiola se tornou narrativa cinematográfica, por inúmeras razões. Rodado em locações reais, como Bacabal e Marabá, o longa traz de pano de fundo a história dos trabalhadores que viveram a experiência do cativeiro.

Pureza conta com direção de Renato Barbieri que assina o roteiro junto a Marcus Ligocki. O filme chegou a vencer o Prêmio Antiescravidão com a mensagem do filme, oferecido pela Anti-Slavery International, uma organização não-governamental internacional. Além disso, o longa-metragem entrou na disputa para concorrer ao Oscar 2021 na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Além disso, Pureza já ganhou o prêmio de Melhor Filme júri popular Mercosul no FAM 2020 e o Grande Prêmio do Público no Rencontres du Cinema Sud-Américain na França. No Inffinito Film Festival de Miami e NY, o filme levou a categoria técnica de fotografia enquanto Dira Paes garantiu a estatueta de Melhor Atriz, feito que foi repetido também no Seattle Latino Film Festival.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here