Projeto faz parte de trilogia sobre mulheres marginalizadas.

Nana MoraesA fotógrafa Nana Moraes retrata a reconexão de mães presas e suas famílias. Nana fotografou essas mães e famílias e criou uma ponte de comunicação através de cartas.
Depois juntou todos esse elementos em bordados lindos, que costuram imagens, cartas, objetos e contam essas histórias com muita delicadeza.

 Histórias de vidas de mães encarceradas, o abandono e as dores na relação entre essas mulheres e seus filhos estão na exposição “A trajetória do Livro Ausência”, que a premiada fotógrafa Nana Moraes apresenta na galeria Retrato Espaço Cultural, na Glória. Além disso, o projeto resultou no livro “Ausência”, a exposição mostra esse processo, com os bordados criados especialmente para o livro lançado este mês pela editora Nau.

O livro “Ausência” é resultado do projeto Travessia, desenvolvido pela fotógrafa no presídio feminino Nelson Hungria, no Complexo de Gericinó, no Rio de Janeiro. Ao mergulhar no universo das presidiárias, Nana percebeu que elas quase não recebem visitas e ficam anos sem notícias dos filhos. O projeto teve como objetivo estabelecer uma via de comunicação entre as mães encarceradas e suas famílias, por meio da fotografia e de cartas.

No projeto, mulheres presas escreveram cartas para seus filhos e foram fotografadas por Nana em um fundo de céu preparado especialmente para elas. As fotos e os textos foram enviados pela fotógrafa às famílias, com um pedido de autorização para que os filhos também fossem retratados em casa. “Pode-se imaginar como fui atingida por essas histórias. Encontrei vidas esgarçadas, retalhadas, marcadas, cheias de cicatrizes, rasgadas violentamente”, conta Nana.

 O primeiro fruto do projeto Travessia foi a exposição “Ausência”, em que as histórias foram contadas através da costura de fotos, cartas, retalhos e bordados, sob inspiração das arpilleras chilenas – a técnica, que borda retalhos e sobras de tecido, foi utilizada pelas mulheres do Chile para se expressar sobre a resistência política nos anos de ditadura. A exposição integrou as celebrações dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Para as obras, Nana buscou pedaços de seda, jeans, algodão em confecções, costureiras, roupas velhas, pano de chão. Em seguida, ampliou as fotos em preto e branco em papel canvas, de forma que as fotos também se tornassem retalhos. E, por fim, fez ampliações de trechos das cartas das mães.

Já para o livro “Ausência”, Nana criou uma espécie de “livro arpillera”: bordou mais de 50 páginas com fotografias, retalhos, objetos. Também os textos que contam as histórias são costurados em “retalhos”: a fotógrafa entrelaçou trechos das cartas das mães, filhos, cuidadores, famílias para tecer diálogos que expressam essas relações.

“Ausência” utiliza a linguagem artística para debater questões como encarceramento feminino, seu impacto nas famílias e na sociedade e possíveis formas alternativas de cumprimento de pena. Este é o segundo título da trilogia “DesAmadas”, na qual Nana se volta para vidas de mulheres estigmatizadas pela sociedade. No primeiro, a fotógrafa retratou mulheres que trabalhavam como prostitutas em uma das principais estradas do país, a Rodovia Presidente Dutra.

SERVIÇO
Exposição “A Trajetória do Livro Ausência”
De quarta a sábado, das 15h às 21h. Domingo, das 12h às 17h
Retrato Espaço Cultural (Rua Benjamim Constant 115, Glória, Rio de Janeiro)
Entrada grátis. Até 12 de junho

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here