Um dos mais respeitados profissionais do cenário cultural brasileiro, o empresário, autor, ator, compositor, produtor e editor musical Paulinho Lima lança autobiografia

Nome admirado e respeitado na cena cultural brasileira ao longo de mais de quatro décadas, Paulinho fez um livro recheado de histórias deliciosas no qual relata desde a infância, vivida em Itabuna, no sul do Bahia, até sua entrada no cultuado meio artístico. O produtor conheceu como poucos nomes consagrados do cinema, do teatro e da música. Personagens como Paulo Autran, Cacilda Becker, Fernanda Montenegro, ítalo Rossi, Sérgio Brito, Dercy Gonçalves, Odete Lara, Chacrinha, Walmor Chagas, Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Fafá de Belém, João Gilberto, Marina Lima, Novos Baianos, Nana Caymmi e Glauber Rocha, entre muitos outros, estão em suas memórias.

Ao revelar suas histórias, de seus familiares e de anônimos e famosos que fizeram parte de sua trajetória, Paulinho Lima monta em Anjo do Bem, Gênio do Mal um grande mosaico da cultura brasileira de uma época. Afinal, ele viu surgir o Cinema Novo, viveu na pele a repressão dos anos de chumbo, que aparece no livro como pano de fundo de situações vividas por muitos dos personagens do livro, e perdeu amigos queridos para a Aids. O produtor acredita que mesmo inconscientemente sempre soube que um dia escreveria sobre suas memórias, Paulinho foi um homem que viveu intensamente a vida e que fez amigos mundo afora colecionando histórias memoráveis. É natural que todos esses momentos fossem registrados de forma definitiva. “Sempre gostei de ler biografias e memórias em geral. Quando parei de produzir shows e músicos no final dos anos 1980, época em que comprei o primeiro computador, achei que tinha chegado o momento”, diz ele, que explica porque levou tanto tempo para colocar o ponto final na obra. “Quando comecei, escrevi bastante sobre meus primeiros anos de vida. Foi muito importante para guardar nomes e situações. Na primeira metade dos anos 2000 cheguei ao meio do livro. Mas foi nos dois últimos anos que conclui. Nunca trabalhei obsessivamente. Não sou um profissional da escrita. Escrevia quando me sobrava tempo. Prefiro dizer que Anjo do Bem, Gênio do Mal é um livro de memórias e não uma autobiografia”.

O empresário e produtor musical afirma que ao tornar pública histórias que viveu não tem a intenção de criar polêmica e não deseja que suas memórias sejam vistas com tom de julgamento ou de crítica. Prefere deixar para os leitores essa função. Tudo é contado com leveza, bom humor e ironia refinada. “Tive a preocupação de ser verdadeiro, tudo que conto no livro são fatos que aconteceram. Minhas memórias não pretendem e não vão mudar nada. Quero que quem compre o livro se divirta e ao terminar a leitura tenha acrescentado alguma coisa ao seu conhecimento e não se sinta enganado. Não é um livro de denúncias, nem de revelações sobre a vida pessoal de ninguém”, avisa. “As experiências vividas por cada um são muito importantes. Porque não compartilhar? Tenho uma vida muito movimentada e original. Quero que as novas gerações conheçam como foi minha vida contada com o meu ponto de vista”.

Mas é inegável que ao escrever o livro, Paulinho Lima reuniu em sua obra histórias curiosas e surpreendentes que certamente vão dar o que falar. O poeta, crítico literário e filósofo Antônio Cícero dá seu depoimento na contracapa. “No seu extraordinário livro de memórias Anjo do Bem, Gênio do Mal, Paulinho Lima conta sua fascinante vida. É uma delícia ler os surpreendentes episódios que viveu com personalidades como Angela Ro Ro, Dalva de Oliveira, Glauber Rocha, Jards Macalé… e tantos outros personagens-chave da segunda metade do século XX, quando, graças, em parte, à atuação deles, a cultura brasileira se encontrava em polvorosa”.

Para o escritor Affonso Romano de Sant’anna, que também fala sobre a autobiografia, Anjo do Bem, Gênio do Mal é o recorte de uma geração. ”Paulinho Lima conheceu todo mundo da música popular, teatro, cinema, literatura e etc. O livro é a estória de nossa geração, os que fizeram a cultura brasileira recente. Há coisas curiosas, revelações que farão a delícia dos pesquisadores. Não se pode fazer a história da cultura brasileira sem consultar essa obra que é ao mesmo tempo pessoal e social”. Para o crítico musical Antônio Carlos Miguel as memórias do produtor musical são fundamentais para qualquer pessoa interessada em cultura. “Também são fascinantes suas lembranças de infância e juventude na Itabuna dos anos 1940 e 50 e sua formação como profissional num campo até então amador e marginalizado”

Ao longo de 536 páginas, o leitor terá diante dos olhos um rico leque de informações sobre os bastidores da música, do teatro e do cinema nas últimas décadas. Episódios como os que viveu durante o tempo em que se hospedou na casa do ator Sérgio Britto e que são minuciosamente relatados. “Sérgio era um fabuloso conquistador e namorador, fazendo disso a válvula de escape para a enorme carga de atividades que desenvolvia diariamente. Das dez horas da manhã, quando a empregada chegava com o pão para o café, até começar a clarear no dia seguinte, acontecia de tudo naquele apartamento: ensaios, jogos de carta, saídas para cinema, teatro, livraria, encontros amorosos..”. Em outro trecho Paulinho conta um pouco mais. “Assim que me mudei para a sua casa, percebi que Sérgio me abordaria a qualquer momento, não porque eu tivesse alguma coisa de muito especial, mas porque, para ele, era irresistível não tentar conquistar quem passasse pela sua frente. Uma tarde, quando tudo estava mais calmo, com Frank Sinatra de fundo cantando Nice and easy, Sérgio resolveu abrir o jogo. Fui claro e objetivo. Disse que ele não me atraía”.

Foto: acervo pessoal 

Ficha Técnica:
Livro: Anjo do Bem, Gênio do Mal
Autor: Paulinho Lima
Ano da publicação: 2016
Gênero: Autobiografia
Páginas: 536
Preço: R$ 60,00

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here