Primeiro festival da América a entrar no circuito de concursos de dança da Federation of International Dance Festivals (FIDAF), o Festival Internacional de Folclore de Nova Prata – Brasil ocorre nos dias 15, 16 e 17 de outubro em formato on-line, com sua programação transmitida através dos canais do festival.

Em sua 17ª edição, o evento já recebeu 100 delegações estrangeiras e mais de 480.000 visitantes e na última semana recebeu o Prêmio de Melhor Festival de 2020 pela FIDAF, Federação Internacional de Festivais de Folclore. Aliás, este é o prêmio oficial da FIDAF e outorgado anualmente a festivais de grande expressão como Nova Prata.

Considerado pela ATUASERRA o maior evento cultural da Região Turística Uva e Vinho, em 2018, o festival passou a integrar o calendário oficial de eventos do Rio Grande do Sul, por seu relevante interesse cultural, conforme Lei Estadual 15.094. Agora, em 2021, 15 grupos locais participantes e 18 internacionais concorrem ao campeonato que serão avaliados pelo júri formado por Emil Dimitrov (Bulgaria), Gabriel Frontera Mestre (Espanha), Gürhan Ozanoğlu (Turquia), Maria Szupiluk (Polônia), Vincent Reyes (Guam) e Régis Eduardo Bastian (Brasil), este como chefe do júri, além de três grupos convidados.

No campeonato internacional de danças folclóricas serão avaliados itens como técnica, figurino, música, coreografia e harmonia, além de impressão geral por uma equipe de jurados com experiência mínima de 15 júris internacionais da FIDAF.

 Os grupos disputam entre si em busca do título de Campeão da 17ª edição do Festival e do FIDAF Brazil World Championship, sendo o Festival Internacional de Folclore de Nova Prata o primeiro na América a sediar o Concurso. As performances competitivas ocorrem na Pedreira De Conto, uma pedreira de basalto ainda em atividade na Comunidade de Gramado, interior de Nova Prata, e iniciam às 19h com transmissão pelos canais do festival e a Conecta TV. Na noite de sábado, 16 de outubro, ocorre a semi-final, onde apenas 10 dos 18 concorrentes passam para a final. Os nomes serão conhecidos no domingo pela manhã, após a Celebração pela paz.

O público também participa da seleção dos melhores do ano: durante os dias de competição, os espectadores votam em seus grupos favoritos através do júri popular disponível no site do evento, que elege o “Prêmio de Público”. As performances presenciais serão realizadas e transmitidas pelos canais do festival, diretamente do Teatro da Pedreira.

A cada edição uma temática norteia o festival, abordando fatos históricos de Nova Prata ou atrelados ao cenário sociocultural do mundo. Em 2021 os saberes ancestrais e seus guardiões pautam o evento. “Havia um tempo em que o ensinar e o aprender eram mais simples e próximos de nós. Um tempo em que os mais velhos eram conhecidos por ser a fonte inesgotável de tudo o que se sabia sobre o mundo e sobre as gentes. Esses saberes e fazeres eles contavam que vinham de antes de nossos avós e que assim sempre foi, desde as lições de bordado até os tratos com a terra, com as pedras, com o couro e com os bichos”, conta o diretor artístico do evento, Marcelo Nedeff.

Além dos espetáculos, uma extensa programação paralela está sendo preparada para o evento. As masterclasses contarão com atividades formativas com experientes profissionais de diferentes segmentos da dança. Em três encontros, diferentes mestres nacionais e internacionais abordarão temas como as danças afro-gaúchas, o frevo e o tango, ministradas por Iara Deodoro, Lairton Guedes e Victor Recalde, da Argentina. As aulas ocorrem pela plataforma Zoom, gratuitamente, e as inscrições ocorrem pelo site do festival até quinta-feira, 14 de outubro. São 100 vagas por atividade, sem pré-requisitos para participação.

A tradicional feira de artesanato, que reúne artesãos da região e de diversas localidades do Brasil e do exterior, neste ano, vai abrigar saberes ancestrais através de vídeos de alguns guardiões, que apresentarão o processo de criação de suas artes, com quem aprenderam e as relações criadas a partir delas.

A Feira Gastronômica também poderá ser conferida através de três programas virtuais de enogastronomia típica das etnias formadoras de Nova Prata, por meio de receitas tradicionais da região, que foram passadas de pais e avós para seus filhos e netos.

Já a Feira do Livro contará com a contribuição do campus local da Universidade de Caxias do Sul e sua editora (EDUCS), que promoverá um debate sobre ancestralidade, reunindo professores e pesquisadores do tema. O Projeto Escola, que mobiliza a rede de ensino do município, mais de quatro mil crianças e jovens, em 2021 promoverá um intercâmbio entre os alunos de Nova Prata e de outros países que também falam a Língua Portuguesa, como Moçambique, Portugal, entre outros. Por meio de caixas de memórias produzidas pelos professores e alunos, os estudantes da cidade enviaram por correio e receberam conteúdos culturais e educativos.

Programas de turismo local, apresentações dos grupos folclóricos da região, ações solidárias também integram a programação, que podem ser acessada pelo site do evento festivalnovaprata.com.br.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here