Museu do Ingá
Foto: Guto Cordeiro / Divulgação FUNARJ

A FUNARJ reabre a partir do dia 21 de dezembro o Museu de História e Artes do Estado do Rio de Janeiro (MHAERJ), mais conhecido como Museu do Ingá, em Niterói. O espaço ficou quase três meses fechado para uma grande reforma preventiva a fim de adequar a instituição aos padrões nacionais de segurança e implementar diversos sistemas em conformidade com as exigências do Corpo de Bombeiro Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ), aliás, as obras tiveram um custo superior a R$ 1 milhão.

Entre as medidas de adequação adotadas no complexo estão as seguintes: implementação de sistemas de pressurização automática e contra incêndio, sistema eletrônico de detecção e inundação por CO2 e sinalização de emergência.

Outra novidade fica por conta da reabertura da exposição “Múltiplos Olhares – Mulheres Artistas nas Coleções FUNARJ”. A coleção apresenta 150 obras de uma centena de artistas, organizadas em núcleos temáticos, como “Fabulações”, sob a curadoria de Janaína Melo. As imagens privilegiam a contribuição de suas autoras à história da arte brasileira. Além disso, o “Salão Dourado”, palco de eventos quando o museu era sede do governo do Estado, foi o escolhido para acolher o núcleo “Festas”.

“Carmen Miranda, como anfitriã brasileira, abre o salão. A alegria se espalha em gravuras, pinturas, esculturas, desenhos e cerâmicas”, pontua Ana Cavalcanti, que responde pela concepção do núcleo. Outros quatro núcleos complementam a exposição, como “Tormenta”, “Trabalho”, “Mulheres absortas” e “Paisagem, paisagens”, esta pela curadora Ana Pessoa.

Dando continuidade à iniciativa “Múltiplos Olhares”, o Museu do Ingá apresenta outra exposição em diálogo, “A Arte de Gravar – Mulheres Artistas na Oficina de Gravura do Ingá”. Este é um trabalho que percorre os 44 anos da Oficina de Gravura do Ingá, como é conhecida.

“Sempre democrática em sua trajetória, a Oficina prioriza promover a troca de experiências e de conhecimentos, além de proporcionar o pleno exercício criativo, de múltiplos pontos de vista e técnicas. Desta forma, podemos afirmar que é uma experiência exitosa, motivo pelo qual buscamos ampliar este potencial, apresentando uma seleção de obras que demonstram a relevância das artistas que passaram pela Oficina de Gravura do Ingá como importante contribuição para a cultura e a história da arte brasileira. Esta mostra, certamente, dialoga e complementa com outras obras que podem ser vistas em ‘Múltiplos Olhares – mulheres artistas nas coleções da FUNARJ'”, avalia José Roberto Gifford, presidente da FUNARJ.

A Oficina de Gravura do Ingá é um espaço de liberdade para diversas artistas experimentarem abordagens de novos temas na gravura a fim de expressar o pensamento livre. Com este projeto, o Museu do Ingá ratifica sua vocação e compromisso de difusor da memória e da cultura com uma exposição dedicada às mulheres que frequentaram ou frequentam a Oficina.

Serviço:
Exposições: Múltiplos Olhares – Mulheres Artistas nas Coleções FUNARJ” e A Arte de Gravar – Mulheres Artistas na Oficina de Gravura do Ingá”
Museu de História e Artes do Estado do Rio de Janeiro (MHAERJ) / Museu do Ingá
Rua Presidente Pedreira, 78, Ingá – Niterói
Horário: dia 21/12, às 11h
Funcionamento: de quarta a sábado, de 12 às 17h

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here