“Tartarugas ninjas” foi um enorme mito da tv nos anos 80, já tendo sido adaptado antes para a telona em diferentes épocas, inclusive numa versão animada de 2007, não muito bem sucedida, que tentava reapresentar estes improváveis guerreiros fantásticos para a nova geração. A nova tentativa “Teenage Mutant Ninja Turtles” no original, de 2014, fica indecisa entre respeitar a ansiedade dos ora mais velhos fãs oitentistas do original e ainda alcançar os novos baixinhos que os pais levarão, misturando live action (atores de carne e osso) com CGI (criaturas de computação gráfica), e acaba pendendo mais para o infantil.

Já foram empregados vários estilos para as Tartarugas, desde o desenho animado ao noir das HQs, e até os dois divertidos filmes da década de 90. Mas o diretor da nova versão, Jonathan Liebesman, talvez cerceado pela produção de Michael Bay (cineasta megalômano da franquia “Transformers”) acabou repetindo a dose de produto/brinquedo do amigo produtor: merchandising vende tudo! Até se esforça no emprego de 1 lado mais humano, desde o design das Tartarugas (com mais músculos, nariz e até apetrechos personalíssimos) ao fato de tentar ocultar os heróis o máximo possível, privilegiando a outra protagonista, a bela e oca Megan Fox (egressa de “Transformers”), interpretando como se fosse uma boneca de plástico.

Assim, o estranhamento que poderia causar ver 4 tartarugas adolescentes mutantes lutarem como ninjas contra o crime organizado, ensinadas pelo mestre Splinter que é um rato gigante, consegue ser adiado, mas adia também a oportunidade de propor mais cenas frenéticas e bem boladas como as que só ocorrem na terça parte final do filme (destaque para o melhor 3D na sequência da onda de avalanche na neve: Cowabungaaaaaa!). – Neste quesito destaca-se a bela fotografia pelo brasileiro Lula Carvalho (parceiro habitué dos cineastas José Padilha e, do pai, Walter Carvalho).


Por exageros em explosões e até no clássico vilão Destruidor, que ao invés de expert em artes marciais parece mais um robô transformer, percebe-se o dedo Michael Bay em criar uma nova franquia como um produto. Pena, pois tinham mais potencial. De resto, vai agradar as crianças, respeitando a classificação livre, e dando bom carisma principalmente para as tartarugas favoritas: o engraçadinho Michelangelo e o descolado Rafael. Tanto que a bilheteria mundial está contrariando a crítica e virando relativo sucesso (a sequência ja está garantida). Vale pelos pequenos, não pelos adultos que não tiverem filhos para levar.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here